Pesquisar

Canais

Serviços

Medalhista olímpica

Após campanha recorde no Pan, COB demite coordenadora de esporte feminino

Demétrio Vecchioli - Folhapress
16 nov 2023 às 19:39
- Divulgação
Publicidade
Publicidade

Dez dias após celebrar a melhor campanha da história do esporte feminino do Brasil nos Jogos Pan-Americanos, com as mulheres ganhando mais medalhas do que os homens pela primeira vez, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) demitiu a coordenadora de Esportes Femininos da entidade, a medalhista olímpica Isabel Swan.


Em nota à coluna, o COB disse que optou por realizar mudanças na área Mulher no Esporte "por decisão executiva". "Duas novas colaboradoras, já integradas à equipe, serão responsáveis por conduzir os programas pertinentes", informou o comitê.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Isabel Swan, medalhista de bronze na vela em Pequim-2008, havia sido contratada em junho de 2021, para fazer uma "análise minuciosa da participação feminina no esporte brasileiro tanto no ambiente competitivo como fora dele", pelo que divulgou o COB à época. No texto anunciando a contratação dela, o comitê citou que naquele momento mulheres ocupavam "sete dos 12 cargos diretivos e de gerência da entidade".

Leia mais:

Imagem de destaque

Morre Wilsinho Fittipaldi, ícone do automobilismo brasileiro, aos 80 anos

Imagem de destaque
No Autódromo Ayrton Senna

Campeonato Paranaense Race Challenge 2024 começa nesta sexta em Londrina

Imagem de destaque
De 3 a 7 de abril

Londrina Futsal Feminino irá disputar a Supercopa de Futsal

Imagem de destaque
Será?

Prost fala sobre Senna e diz que era subestimado: 'Em corridas, eu era mais rápido'


Hoje, das oito diretorias do COB, só uma é ocupada por mulher. Nas 11 gerências existem cinco mulheres, segundo o COB. Assim, a participação feminina no alto comando do COB, que era de 58% há dois anos, caiu para 31%.

Publicidade


À coluna, Isabel disse que vinha tendo dificuldades de implementar seus projetos. "Era difícil trabalhar, porque eu tinha uma autonomia maior no começo. Essa estrutura foi modificada e eu comecei a não participar de tomadas de decisão. Tinha que passar sempre por autorização muito restritiva para que as coisas andassem. Passei a ficar com dificuldade de trabalhar, dificuldade de ter autorização, emails não respondidos", contou a velejadora, que abriu mão de uma cadeira na comissão de atletas do COB para assumir o cargo e faz parte da comissão de atletas da PanAm Sports.


Ela citou que a palavra final sobre os projetos voltados ao esporte feminino era de homens. "Nos últimos meses eu estava com muita dificuldade de trabalhar, passava por autorização de uma liderança que é masculina. É necessário ter mais mulheres. É um processo que é demorado, lento, mas a maior participação de mulheres é importante", afirma.

Publicidade


Isabel, que antes do COB havia trabalhado na consultoria Ernst & Young, acredita que deixou um legado no comitê. "Eu acho que o movimento esportivo ainda não está preparado para lidar com as mulheres, mas a gente avançou. Não a passos largos, mas, com aval da diretoria, a gente tem uma comissão da mulher atuando, uma política de equidade interna associada a um plano de ação, diversos trabalhos de investimento no esporte feminino a partir de editais, foco em treinadoras. Avanços foram feitos, mas efetivamente não no ritmo que eu gostaria. É um processo de mudança de cultura que não é da noite para o dia. Fico feliz de ter contribuído um pouquinho."


O Olhar Olímpico apurou que um dos motivos alegados internamente para a demissão de Isabel foi o fato de ela estar fazendo campanha olímpica na classe 470 da vela. A medalhista olímpica nunca deixou de velejar, apresentou pedido ao compliance do COB para poder disputar o Mundial de 470 no ano passado, e foi autorizada. O barco dela e de Henrique Haddad terminou em 38º e mostrou-se competitivo para se classificar a Paris-2024 pelo Mundial do ano que vem.


"Sempre deixei muito clara minha posição para todos. Não havia conflito de interesse, passou pelo compliance, e eu treinava e competia nas minhas horas vagas. Pretendia inclusive pedir licença para disputar o Mundial em fevereiro", detalhou. A competição, em Palma de Mallorca, na Espanha, vai definir os últimos classificados para Paris-2024 na vela e distribuir as vagas continentais da 470.


Imagem
Reforço em silêncio: Corinthians tem acordo por lateral há quase dois meses
O primeiro reforço do Corinthians deve ser Hugo, lateral-esquerdo do Goiás.
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade