Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Vôlei

Bernardinho volta manso à seleção e espera por gatilho nas Olimpíadas de Paris

Eduardo Scolese - Folhapress
24 mai 2024 às 11:05
- Mauricio Val/FVImagem/CBV
Publicidade
Publicidade

Na noite da última terça-feira (21), no tradicional palco do vôlei Maracanãzinho, Bernardinho, 64, voltou ao comando da seleção após oito anos em um figurino diferente.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Com Minnie e Mickey

Paraná recebe pela primeira vez a Disney Magic Run; saiba como participar

Imagem de destaque
Primeira largada as 5h

Com recorde de 4.500 atletas confirmados, Maratona de Londrina será neste domingo

Imagem de destaque
Em abril

Piloto de 9 anos morto após acidente em Interlagos estreou há dois meses no circuito

Imagem de destaque
Despedida

'Temos uma geração diferente, com uma molecada depressiva', diz Anderson Silva

Nada de explosões e gritos com os jogadores nos pedidos de tempo e tampouco pulos de desespero e mordidas de raiva na mão a cada ponto do adversário.

Publicidade


Bernardinho falou manso, buscou acalmar os jogadores a cada parada e quase não reclamou diante de tantos erros individuais e coletivos na dura derrota para os cubanos -menos pelo placar, de 3 sets a 1, e mais pelo nítido domínio do adversário na primeira rodada da Liga das Nações.


O técnico bicampeão olímpico (Atenas-2004 e Rio-2016) repetiu a estratégia nesta quinta-feira (22) na vitória por 3 a 2 contra os argentinos no mesmo ginásio. Esbravejou em alguns momentos, mas priorizou tapinha nas costas e carinho na cabeça dos jogadores, bateu palmas à beira da quadra e, em alguns momentos, só observou os comandados trocarem impressões nos tempos técnicos.

Publicidade


A Liga das Nações agora em curso é uma corrida mundial para as últimas cinco vagas olímpicas, mas vale bem menos para o Brasil, já classificado para Paris. Por isso, como Bernardinho tem repetido, o torneio será usado de ponta a ponta como preparação para os Jogos. Isso ajuda a explicar um Bernardinho ainda calmo no banco de reservas.


No ciclo olímpico anterior, o Brasil voou na Liga das Nações de 2021, atropelou a favorita Polônia na final e semanas depois decepcionou em Tóquio. Capengou na primeira fase, na semifinal e na disputa pelo bronze. Não convenceu em nenhum momento e saiu do Japão sem medalha, o que havia ocorrido pela última vez apenas em Sydney-2000.

Publicidade


Agora, entre a sua reestreia e uma eventual final olímpica, serão apenas 82 dias, prazo curtíssimo para mudanças drásticas em grupo no qual Bernardinho priorizou a base deixada por seu antecessor, Renan Dal Zotto.


Dono de sete medalhas olímpicas, sendo seis como técnico e uma como jogador, Bernardinho aposta na experiência, com pouca margem para surpresas até a convocação final dos 12 jogadores para Paris.

Publicidade


Parecem definidos os dois levantadores (Bruno e Cachopa), os ponteiros Lucarelli e Leal, os irmãos Alan e Darlan como apostos, os centrais Lucão e Flávio e o líbero Thales. Restariam então apenas três vagas.


Quase que definir todo o grupo olímpico à essa altura, de forma antecipada, é também uma forma de gestão, uma obsessão daquele antigo Bernardinho. Joga limpo com o grupo: a Liga das Nações é um torneio preparatório para as Olimpíadas e vale ainda para a definição das últimas vagas da seleção.

Publicidade


Bernardinho volta sem uma fartura de talentos de outros tempos. Chegará a Paris em uma segunda prateleira de favoritos, atrás por exemplo da Polônia de Leon, da Itália de Michieletto (que ainda briga por uma vaga) e da dona da casa França de Ngapeth.


Olimpíada é uma competição de tiro curto.


Bernardinho parece apostar na paciência, no planejamento e em uma mistura de outros ingredientes para colocar o Brasil com chances de tetracampeonato: evolução constante dentro da Liga das Nações, experiência de um grupo quase fechado e efeito gatilho dos Jogos, onde muitas vezes favoritos ficam pelo caminho e um time encaixa de repente e corre por fora até o Ouro.


A ver se até lá teremos um técnico manso ou enfurecido à beira da quadra.


Imagem
Londrina EC faz promoção e abre setor de cadeiras para jogo deste domingo
Com o objetivo de aumentar a presença do torcedor no estádio do Café, o Londrina fará uma promoção no valor dos ingressos e vai liberar o setor de cadeiras no jogo contra o Volta Redonda, domingo (26), às 19h, em partida válida pela sexta rodada.
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade