Pesquisar

Canais

Serviços

Crise

Virgin deixará de patrocinar a Brawn GP em 2010

Agência Estado
13 jun 2009 às 09:58
Publicidade
Publicidade

O dono do grupo Virgin, o magnata britânico Richard Branson, anunciou neste domingo (21) que, devido aos elevados custos, em 2010 não vai mais patrocinar a equipe Brawn GP, que disputa a Fórmula 1.

Antes do começo da atual temporada, a Virgin saiu em socorro da escuderia, que se chamava Honda até a crise econômica obrigar a empresa japonesa a abandonar a F-1.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Na época, ninguém esperava que o inglês Jenson Button, um dos pilotos da equipe, fosse liderar o Mundial da Fórmula 1 nem que a própria Brawn fosse assumir a liderança no Mundial de Construtores.

Leia mais:

Imagem de destaque
Em definitivo

Arthur Zanetti tem nova lesão, faz mistério, mas dá adeus à Olimpíada

Imagem de destaque
Crise de úlcera

A dois meses de 'superluta', Mike Tyson passa mal em voo para Los Angeles

Imagem de destaque
Luca Kumahara

Globo terá atleta trans entre comentaristas da Olimpíada de Paris

Imagem de destaque
Sul-Americano

Duas atletas do Londrina Futsal são convocadas para a Seleção Brasileira sub-20


No entanto, Branson admitiu à BBC Radio Five que o inesperado êxito dos pilotos encarecerá o patrocínio em 2010.

Publicidade


"Entramos (na Brawn) porque era muito barato e a cobertura mundial foi fantástica para nós. Mas suspeito que no próximo ano o preço será astronômico e teremos que buscar em outro lugar uma equipe menor", disse o dono da Virgin.


"O valor (da escuderia) passou de quase nada a 50 milhões de libras (59 milhões de euros, ou R$ 161 milhões) ao ano. Estamos felizes por eles e nós estamos tendo um ano fantástico com eles", acrescentou Branson.


Sobre o polêmico limite orçamentário para 2010, que causou um racha entre a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e associação de escuderias da Fórmula 1 (Fota), o magnata pediu que "prevaleça o bom senso".

Branson acha que "seria uma grande pena" a ruptura e disse que ambas as partes deveriam "se sentar" para chegar a um acordo.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade