Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Dia do Pão

Presente nos lares brasileiros, o pão nosso de cada dia fez parte da evolução industrial do País

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
17 out 2021 às 07:00
Continua depois da publicidade

O  pão de forma está em 80% dos lares brasileiros. Isso significa que, para a maior parte da população do País, este é um item presente em pelo menos uma das refeições diárias. Seja de forma, francês, doce ou integral, o pão faz parte da vida de praticamente toda as pessoas. E em 16 de outubro é comemorado o dia mundial desse alimento tão tradicional.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A história sobre a chegada do pão ao Brasil é bastante curiosa. Apesar da panificação por aqui estar vinculada às tradições portuguesas, foi com os migrantes italianos que essa cultura realmente se expandiu. Nos grandes centros urbanos, em fins do século XIX, início do XX, as típicas padarias começaram a surgir. E assim como em outros lugares do mundo, trouxe em seu rastro a necessidade de expansão da produção de trigo.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


O pãozinho que nós consumimos hoje em nada se parece com os primeiros que foram feitos por aqui. “A receita atual do pão francês, um dos mais tradicionais do Brasil, é uma adaptação dos brasileiros mais abastados que voltavam de viagem da Europa, em especial da França, e desejavam manter essa iguaria para consumo. Nessa época, era bastante popular em Paris um pão curto com miolo branco e casca dourada, uma espécie de precursor da baguete. O resultado foi o surgimento da versão brasileira do ‘pão francês’, que demorou 400 anos para chegar ao formato que conhecemos hoje, que difere da sua fonte de inspiração, principalmente por levar um pouco de açúcar e gordura na massa antes de ir ao forno”, explica Cláudia Calais, Diretora Executiva da Fundação Bunge.


A história do pão francês que comemos todos os dias se confunde com a história da industrialização do Brasil. Habituada a copiar os costumes europeus, a sociedade brasileira do século XX vivia a Primeira República e se adaptava a intensas transformações políticas e econômicas.


Com a abertura do comércio interno para produtos estrangeiros, o Brasil torna-se um mercado altamente consumidor dos produtos de fora e, consequentemente ideias e hábitos europeus. Não demorou para surgirem empreendimentos voltados para moagem de trigo, panificadoras e produtos voltados para esse segmento.

Continua depois da publicidade


Atenta ao cenário, a Bunge - uma das maiores empresas de alimentos e agronegócio do país atualmente – mas que sempre teve destaque por seu perfil inovador instala, seu primeiro moinho na cidade de Santos em 1905 e, nove anos mais tarde adquire o Moinho Fluminense na cidade do Rio de Janeiro.


Curiosidades sobre a história do trigo no Brasil:


- O trigo chegou ao Brasil pelas mãos de Martim Afonso de Sousa, que aportou no litoral paulista em 22 de janeiro de 1532, onde fundou a Vila de São Vicente, a primeira cidade brasileira. Na sua esquadra de cinco embarcações, o colonizador matriz de frutas, hortaliças e cereais – entre eles, o trigo.


- Ao contrário do clima temperado europeu, de estações do ano bem distintas, o calor constante do trópico fazia o trigo crescer, dar flores e murchar sem deixar grãos. Mal havia “nascido”, o Brasil precisava importar trigo, necessidade que se mantém até hoje: o País jamais atingiu a autossuficiência na produção de trigo, nem mesmo em 1987, ano de safra recorde de mais de 6 milhões de toneladas.



- A participação estrangeira nos primeiros moinhos do País, como foi o caso do Moinho Santista (nome dado a Bunge) contribuiu para a modernização da indústria moageira nacional – no processo, ajudando a finalmente disseminar o trigo na mesa do brasileiro, 400 anos após o descobrimento.


- Em 1987, o Brasil alcançaria sua safra recorde: 6.126.800 toneladas de trigo produzidas (mais de 80% das quais, oriundas do Paraná e do Rio Grande do Sul). Um número ainda insuficiente em termos de mercado, mas imenso para um país que, menos de um século antes, nem mesmo tinha o costume de comer pão.

Continue lendo