Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Hierarquia

Pipeline de liderança: de presidente nacional para continental

Equipe Caput
14 out 2016 às 09:20
Continua depois da publicidade

A quinta passagem da liderança é aquela em que o representante maior dos negócios de uma multinacional em determinado país – o presidente da Coca-Cola no Brasil, por exemplo – passa a responder pelas operações da empresa em um continente – agora será responsável pela atuação da companhia em toda América Latina. Tal posição existe, geralmente, em organizações que possuem representação em vários países e sinaliza a transição de gestor de negócios para gestor de grupos.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Continua depois da publicidade

Papel

Enquanto presidente local, esse executivo liderava os negócios da empresa no país inteiro, tinha grande poder de decisão quanto aos rumos da operação e era responsável por conduzir o trabalho de milhares de pessoas, em muitos casos. Ou seja, estava numa posição de clara evidência.

Continua depois da publicidade

Agora, no novo cargo, o papel dele será liderar e influenciar o grupo formado pelos gestores de negócios – ou seja, os presidentes nacionais dos países que fazem parte daquele continente pelo qual ele passa a ser responsável. Ele deve alocar recursos, elaborar estratégias de portfólio, desenvolver e avaliar esses gestores.

Para tanto, esse executivo terá que viajar durante boa parte do ano e trabalhar para que seus gestores de negócios apresentem resultados, mesmo que ele não possa estar com todos a maior parte do tempo.

Tal função que, para alguns, pode parecer um tanto frustrante e apenas simbólica, pode representar um trampolim para a posição de CEO da organização. Mesmo que exista o sentimento de perda de visibilidade em muitos casos, o profissional assume sim maior força na hierarquia organizacional.

Desafios da passagem

– Ao assumir a presidência da operação de uma multinacional em um continente, esse executivo precisará aprender a "ler" as oportunidades de mercado de toda a área territorial onde as empresas atuam.

– Outra missão é elaborar estratégias de portfólio e distribuir os recursos corporativos da matriz para cada filial. Para isso, terá que saber como fortalecer a região como um todo.

– Precisará ser hábil para mostrar ao gestor de negócios de cada país o porquê de suas decisões mais críticas, caso contrário criará resistências de todo tipo. É uma posição que exige diplomacia.

– O executivo ainda terá que avaliar e desenvolver os gestores de negócios em cada país, ou seja, formar presidentes nacionais e, para isso, precisará ser um bom avaliador de pessoas.

Pontos críticos da transição

– Uma grande dificuldade dessa posição é ele agir como gestor de negócios e não como gestor de grupos, afinal, ninguém o ensinou como desempenhar o novo papel. Ele terá que entender muito bem essa virada profissional, já que o cargo possui uma atuação muito mais ampla.

– Um empecilho para esse executivo não ser bem-sucedido na transição é ele não entender do negócio o suficiente para tomar as decisões necessárias pensando no conjunto de países e suas respectivas realidades.

Resumindo…

Na posição de gestor de grupos, o executivo pode ter a sensação de perda de poder, porque acaba ficando um pouco isolado. Às vezes, pensa que foi rebaixado e não promovido, por isso é grande a chance de ele não apreciar o novo trabalho, que parece ter um menor impacto que o anterior. Afinal, no novo cargo é ele quem terá que procurar as pessoas, ao contrário do que ocorria antes. Mas é importante que o executivo entenda que, neste nível da liderança, ele passa a ser preparado para se tornar o CEO mundial da empresa.

E o que a sua empresa pode fazer para que a transição seja bem-sucedida?

– É importante que, antes de preparar esse executivo para a quinta passagem da liderança, as empresas o enviem a outros países com o objetivo de conhecer como funcionam os negócios da companhia em cada operação do continente.

– Também é interessante orientar que ele converse com outros gestores de grupo espalhados pelo mundo, principalmente no momento da transição. Essa troca de experiências pode ser fundamental para uma passagem menos traumática.

– A organização precisa deixar muito claro a esse executivo que ele pode sentir, no início, uma perda de poder, um esvaziamento na própria atuação como gestor, e precisará saber como lidar com isso.

– Conscientizá-lo de que a nova função exigirá uma excelente capacidade de articulação e de gestão de relacionamentos.

Muitas empresas enxergam essa posição como desnecessária por burocratizar ainda mais a estrutura organizacional. Só que a função pode render muitos benefícios, porque a atuação do gestor de grupos libera o tempo do CEO, possibilita a realização de um trabalho de coaching com os gestores de negócios de cada país e uma concentração maior de tempo e energia na melhoria do portfólio da empresa.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade