Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Epidemia grave

Polinésia Francesa também investiga má-formação de fetos após epidemia de zika

Redação Bonde
27 nov 2015 às 14:08
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Polinésia Francesa revelou que também teve casos de má-formação cerebral em fetos e recém-nascidos após a epidemia de zika que atingiu o território entre 2013 e 2014. Relatório divulgado por autoridades locais nesta quarta-feira mostrou que pelo menos 17 casos de má-formação do sistema nervoso central foram registrados entre 2014 e este ano, de acordo com o Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças (ECDC, na sigla em inglês).

Não houve, até o momento, registro de casos suspeitos de microcefalia – no Brasil, já foram notificados 739 casos, o que levou o Ministério da Saúde a decretar situação de emergência e recomendar cautela a mulheres que pretendem engravidar. Mas, desde que surgiu a suspeita no Brasil, acreditava-se que outros países que tinham registrado epidemias de zika não haviam tido problemas com gestantes.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade



Assim como o Brasil, a Polinésia Francesa ainda investiga se há relação direta entre os casos de má-formação e o vírus zika. "Eles notaram isso retrospectivamente. Então fizeram exames e descartaram outras infecções que poderiam estar causando este problema. E aí houve a hipótese do zika", diz Herve Zeller, do ECDC.

Leia mais:

Imagem de destaque
Comportamento de apatia

Síndrome do Tédio também afeta saúde mental no ambiente de trabalho

Imagem de destaque
Mulheres são mais afetadas

Câmara aprova inclusão de políticas públicas para Burnout no SUS; especialistas comentam

Imagem de destaque
Caso Iza

Entenda os impactos emocionais e a importância do suporte psicológico para gestantes

Imagem de destaque
Dia Mundial da Alergia

Entenda quais são os piores gatilhos da rinite alérgica e como preveni-los

De acordo com ele, pesquisadores da Polinésia Francesa começaram a investigar os casos de problemas congênitos em fetos e bebês no início do ano, antes de a epidemia atingir o Brasil, mas só agora revelaram os resultados.
(com informações do site BBC)


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade