Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Fique atento!

Doença de Chagas: Paraná divulga cartilha sobre prevenção e tratamento

Redação Bonde com AEN
15 abr 2024 às 13:30
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O último domingo (14) foi marcado como o Dia Mundial da Doença de Chagas. A Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) destaca a data desde que foi incluída no calendário mundial em 2019 para alertar sobre a importância da conscientização sobre esta doença, prevenção e tratamento precoce. 


Em alusão à data, a Sesa disponibiliza um  material informativo e lúdico com detalhes sobre a DC (Doença de Chagas).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A Doença de Chagas está no grupo das chamadas doenças negligenciadas. Conforme publicação da Fiocruz, são moléstias infecciosas, muitas delas parasitárias, que afetam principalmente as populações mais pobres, que vivem em áreas rurais remotas e em favelas, e aquelas com acesso limitado aos serviços de saúde.

Leia mais:

Imagem de destaque
Doença afeta 30% dos brasileiros

Hipertensão arterial também ocorre na infância, alertam especialistas

Imagem de destaque
Mais problemas

Leptospirose, hepatite e doenças respiratórias devem se alastrar no Rio Grande do Sul com pessoas em abrigos

Imagem de destaque
Vacina Spikevax

Com nova vacina da Covid-19, Paraná esclarece quem deve receber o imunizante

Imagem de destaque
Áreas essenciais

Ministério da Saúde infla equipes sem concurso e esconde lista de contratados


A DC apresenta duas fases distintas: aguda e crônica. Na fase aguda, embora a maioria dos casos (70%) seja assintomática, a pessoa infectada pode apresentar febre prolongada (mais de sete dias), dor de cabeça, fraqueza intensa, inchaço no rosto e pernas. Já em fases mais avançadas, pode comprometer o coração, esôfago ou intestino.

Publicidade


Para a chefe da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores da Sesa, Emanuelle Gemin Pouzatto, a conscientização é essencial para melhorar as taxas de diagnóstico precoce e tratamento. “Dada a circulação contínua do vetor e a natureza silenciosa da doença, é crucial apostar nas medidas de notificação e investigação para ampliar a vigilância clínica e epidemiológica", afirma.


De acordo com o Ministério da Saúde, a Doença de Chagas atinge pelo menos 1 milhão de pessoas no Brasil e resulta em mais de 4 mil mortes a cada ano. Estima-se que cerca de 70 milhões de pessoas vivem em áreas de exposição e correm o risco de contrair a doença.

Publicidade


Imagem
Com previsão de arrecadar R$ 44 milhões, Profis deve começar em maio em Londrina
A Prefeitura de Londrina enviou para a CML (Câmara Municipal de Londrina) na semana passada o PL (Projeto de Lei) n° 77/2024, que institui o Profis (Programa de Regularização Fiscal) deste ano.


TRANSMISSÃO 


A transmissão pode ocorrer a partir do contato das fezes do inseto “barbeiro”, também conhecido como “chupão ou chupança”, com a pele ferida ou com a mucosa do olho. Pode ocorrer, também, pela ingestão de alimentos contaminados e por meio da transfusão de sangue ou transplante de pessoas com a doença. Recém-nascidos de mulheres portadoras também estão suscetíveis.

Publicidade


TRATAMENTO E PREVENÇÃO 


O tratamento da Doença de Chagas deve ser indicado e acompanhado por um médico, após a confirmação do diagnóstico. Os medicamentos são disponibilizados pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Publicidade


Já a prevenção está intimamente relacionada ao modo de transmissão. Uma das formas de controle é evitar que o inseto “barbeiro” forme colônias dentro das residências, por meio da aplicação de inseticidas residuais, feita por equipe técnica habilitada. Em áreas onde os insetos possam entrar nas casas voando pelas aberturas ou frestas, podem-se usar mosquiteiros ou telas metálicas.


Recomenda-se usar medidas de proteção individual (repelentes, roupas de mangas longas) durante a realização de atividades noturnas em áreas de mata.


Para prevenir a transmissão oral, devem ser intensificadas as ações de vigilância sanitária e inspeção, em todas as etapas da cadeia de produção de alimentos suscetíveis à contaminação.


Quem encontrar um barbeiro, não deve matar o inseto. A captura permite que se possa verificar se ele está infectado. É importante proteger as mãos com um plástico para não entrar em contato direto com o inseto. O passo seguinte é colocá-lo em um pote de plástico ou vidro e levá-lo para vigilância sanitária mais próxima de casa. Também pode ser entregue a um agente de saúde.


Imagem
Hemocentro do HU da UEL precisa de doações de sangue tipo O- e O+
A direção do Hemocentro Regional de Londrina, do HU-UEL (Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina), informa que os estoques de sangue do tipo O – e O+ estão baixos.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade