Pesquisar

Canais

Serviços

- Divulgação
Continua depois da publicidade
Saiba mais

Governo pode protagonizar 'escândalo global' sobre zika, diz professor da USP

Redação Bonde
01 mar 2016 às 15:08
Continua depois da publicidade

Ainda existem pessoas que critiquem e duvidem da afirmação do ministro da Saúde, Marcelo Castro, que diz não ter dúvidas da relação entre zika vírus e microcefalia em recém-nascidos.

Continua depois da publicidade

"É questão superada", disse recentemente Castro, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. "A causa da epidemia de microcefalia é o vírus zika. O que não tem resposta ainda é se o vírus é causa suficiente para provocar microcefalia ou se precisa de alguns fatores contribuintes."


Qualquer cientista que analisar com rigor as evidências que vêm sendo enumeradas pelo ministro para provar essa relação causal se dará conta de que elas são insuficientes, diz o professor de epidemiologia da USP.


"Se formos analisar isso com rigor científico, o governo está chutando, tem quase que um palpite de que o Zika causa microcefalia. E o problema é que se estiver errado poderá ser responsabilizado pelas consequências do pânico que causou. Seria o maior escândalo global da área de saúde dos últimos anos. Tema de tese, de livro", disse ele à BBC Brasil.


O professor ressalva que não está dizendo que o vírus Zika não causa microcefalia. "É possível que sim", completa. "Hoje, se eu tivesse de apostar, ainda colocaria minhas fichas na existência dessa relação (de causa), mas ciência não é aposta e temos de admitir que estão surgindo evidências que mostram que precisamos de mais pesquisas."

Continua depois da publicidade


No momento, a comunidade científica parece estar dividida sobre o tema. Parte diz acreditar que os estudos sejam suficientes para fazer essa relação causal entre zika e microcefalia.


Entre as pesquisas citadas por essa parcela estão um trabalho publicado no mês passado na revista científica The New England Journal of Medicine, que relatou o caso de uma jovem da Eslovênia, infectada por zika em Natal (RN), no primeiro trimestre da gestação.


O estudo está sendo considerado o mais completo já realizado por contar com imagens do feto, análises patológicas do cérebro danificado pelo vírus e o sequenciamento completo do vírus da zika encontrado nas estruturas cerebrais do bebê.


"Para mim, é evidência definitiva. Não se fala em outra coisa entre os cientistas", disse em uma entrevista recente o infectologista Esper Kallas, também professor da USP.

(confira a matéria completa no site da BBC)


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade