06/06/20
21º/14ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Saiba mais

Ministério da Saúde define novas orientações sobre distanciamento social

O Ministério da Saúde estabeleceu novas orientações em relação ao distanciamento social para combater a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Em Boletim Epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (6), a equipe do órgão cria diferentes formas de isolamento e recomenda regras mais leves para municípios que ainda não estejam com alta ocupação de leitos nas unidades de saúde.

Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Segundo a nova orientação, haveria duas categorias de distanciamento: o ampliado e o seletivo. O ampliado é o que foi adotado pelos estados até o momento. Na nova diretriz da pasta, os municípios e estados em que os casos confirmados não tenham resultado em uma ocupação de leitos maior do que 50% da capacidade do local devem migrar da modalidade ampliada para a seletiva.

O distanciamento seletivo seria aquele no qual "apenas alguns grupos ficam isolados, sendo selecionados os grupos que apresentam mais riscos de desenvolver a doença ou aqueles que podem apresentar um quadro mais grave, como idosos e pessoas com doenças crônicas (diabetes, cardiopatia etc.) ou condições de risco como obesidade e gestação de risco”. Nesse modelo, as pessoas com menos de 60 anos podem circular livremente, desde que não apresentem sintomas da Covid-19.

Essa transição do distanciamento social ampliado para o seletivo, conforme a recomendação, começaria na próxima segunda-feira (13).

Já os locais que apresentam coeficiente de incidência da pandemia 50% acima da estimativa nacional devem manter o distanciamento ampliado até que o estoque de equipamentos, insumos e força de trabalho em saúde estejam "disponíveis em quantitativo suficiente, de forma a promover, com segurança, a transição para a estratégia de distanciamento social seletivo conforme descrito na preparação e resposta segundo cada intervalo epidêmico”, pontua o boletim epidemiológico.

As unidades federativas com coeficiente 50% acima da taxa média de incidência são, no balanço de hoje divulgado pelo Ministério da Saúde: São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Amazonas e Distrito Federal.

De acordo com o Boletim Epidemiológico, o distanciamento social ampliado é "essencial para evitar uma aceleração descontrolada da doença”, mas sua manutenção prolongada "pode causar impactos significativos na economia”.

Já o distanciamento seletivo possibilitaria a "retomada da atividade laboral e econômica” com "criação gradual de imunidade de rebanho de modo controlado”. Por outro lado, nesse caso "grupos vulneráveis continuarão tendo contato com pessoas infectadas assintomáticas ou sintomáticas, tornando mais difícil o controle”.

A mudança vai ao encontro da posição do presidente Jair Bolsonaro, que vem defendendo a necessidade de retomada das atividades econômicas para impedir ou mitigar prejuízos na esfera da produção.

Até então, o Ministério da Saúde vinha enfatizando a importância do distanciamento social tal qual adotado pelos estados. Em diferentes entrevistas coletivas, o titular da pasta, Luiz Henrique Mandetta, e secretários responsáveis pela resposta à pandemia ponderaram a importância dessas medidas para impedir o colapso do sistema de saúde, que o ministro chegou a projetar para o fim de abril.

Em coletiva no Palácio do Planalto, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, lembrou que o Brasil levou 17 dias para chegar do primeiro ao 100° caso, mais sete dias para ir até o 1.000º caso e 14 para chegar aos 10 mil casos confirmados.
Agência Brasil
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Duas crianças internadas
Londrina tem 55 casos de Covid-19 confirmados e 57 em investigação
Saiba mais
Mandetta diz que continua no cargo de ministro da Saúde
Isolamento
Brasil não está pronto para escalada de casos nas grandes cidades, diz Mandetta
Continue lendo
Boletim
Brasil registra 1.005 novas mortes por coronavírus em 24 h e total supera 35 mil
06/06/2020 12:39
Retaguarda
HU terá 44 enfermeiros em ala exclusiva para atendimento da Covid-19
06/06/2020 10:18
262 curados
Maringá registra 53 novos casos e uma morte por Covid-19 nas últimas 24 h
05/06/2020 19:33
Boletim da prefeitura
Londrina atinge 540 casos confirmados de coronavírus; 342 curados
05/06/2020 18:44
Dados da Sesa
Paraná tem 6.437 casos e 227 mortes pelo novo coronavírus
05/06/2020 17:22
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados