Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Entenda

Pesquisadores italianos isolam coronavírus em lágrimas

ANSA
22 abr 2020 às 10:22
- Reprodução/Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Pesquisadores do Instituto Lazzaro Spallanzani, principal referência em doenças infecciosas na Itália, identificaram o coronavírus Sars-CoV-2, causador da Covid-19, nas lágrimas de uma paciente infectada.

O estudo foi publicado na revista acadêmica Annals of Internal Medicine, dos Estados Unidos, e demonstrou que o vírus também é capaz de se replicar na conjuntiva, membrana mucosa que reveste o lado interno da pálpebra e a parte branca do olho.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Partindo de uma amostra coletada de uma paciente com o Sars-CoV-2 internada no Spallanzani, em Roma, no fim de janeiro, e que também apresentava conjuntivite, os pesquisadores conseguiram isolar o vírus, demonstrando sua capacidade de se replicar fora do sistema respiratório.

Leia mais:

Imagem de destaque
Mais investimento

Brasil registra 45% de cobertura em saúde bucal; meta é chegar a 70%

Imagem de destaque
Saiba mais

Pesquisa da UENP analisa saúde da mulher no Paraná

Imagem de destaque
Plásticas

Mulheres vítimas de violência serão priorizadas em cirurgias reparadoras feitas no SUS

Imagem de destaque
Saiba mais

Ultraprocessados são associados a doenças cardíacas em estudo


"Esse estudo demonstra que os olhos não são apenas uma das portas de entrada para o vírus no organismo, mas também uma potencial fonte de contágio", diz Concetta Castilletti, chefe do departamento de vírus emergentes do laboratório de virologia do Spallanzani.

Publicidade


"Isso exige o uso apropriado de dispositivos de proteção em situações nas quais se pensava estar relativamente seguro em relação ao risco de contágio, como exames oftalmológicos", acrescenta.


A pesquisa ainda demonstrou que as secreções oculares podem conter o Sars-CoV-2 depois que ele não é mais encontrado nas vias respiratórias. No caso da paciente em questão, o novo coronavírus não aparecia em amostras do sistema respiratório após três semanas de internação, mas as lágrimas apresentaram resultado levemente positivo até o 27º dia.

"Essa é mais uma pequena peça que se insere no complicado quebra-cabeça desse vírus", afirma Marta Branca, diretora-geral do Spallanzani. O próximo passo é verificar o quanto o Sars-CoV-2 continua ativo e potencialmente transmissível nas secreções oculares.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade