Pesquisar

Canais

Serviços

O Transtorno do Jogo Patológico se caracteriza pela incapacidade da pessoa controlar o hábito de jogar. - Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
JOGADORES ANÔNIMOS

Existe tratamento para pessoas viciadas em jogos?

Sua Saúde-Folha de Londrina
28 jul 2009 às 21:45
Continua depois da publicidade

O que leva uma pessoa a ficar durante horas diante de uma mesa de cartas, de uma roleta, de um jogo de bingo, um caça-níqueis, em jogos de cassinos pela internet, ou até mesmo apostar por anos a fio, de modo obsessivo num jogo do bicho ou na loteria? Este tema vem ganhando importância crescente e fez com que em 1992, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhecesse este problema como uma doença: o Transtorno do Jogo Patológico, que se caracteriza pela incapacidade da pessoa controlar o hábito de jogar, a despeito de todos inconvenientes que isso possa proporcionar, tais como problemas financeiros, familiares, profissionais etc.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Jogar, para essas pessoas, provoca um prazer semelhante ao das drogas e a atitude geral do dependente do jogo, tal como nos casos de alcoolismo e drogas, acaba promovendo a exclusão de outras áreas da vida. Acredita-se ainda que o Jogo Patológico seja claramente mais comum entre os homens, porém essa posição vem sofrendo mudanças e o número de mulheres vem aumentando consideravelmente.

Continua depois da publicidade


Inicialmente, a sorte e vitórias são excitantes para o jogador, fazendo crescer seu otimismo e a freqüência com que busca essas atividades. Com o passar do tempo, seu investimento em jogos vai aumentando e comprometendo seus rendimentos, porém com o pensamento ‘mágico’, obsessivo e impulsivo, o jogador segue investindo para pagar suas dívidas. Esses fatores pressionam o jogador a jogar ainda mais, na esperança de ganhar uma quantia que possa resolver todos esses problemas.


Apesar das graves conseqüências que possa provocar, de exaustão física e psicológica, incluindo o risco de separação conjugal, demissão, graves perdas econômicas, envolvimento com a Justiça, até o surgimento de depressão e pensamentos suicidas, mesmo assim, os jogadores compulsivos têm muita dificuldade em controlar o impulso de jogar, em admitir a existência do problema e pedir ajuda. É por isso que, normalmente, a aderência ao tratamento costuma ser pouca ou nenhuma, sendo importante o envolvimento da família.

Continua depois da publicidade


Podem ser procurados programas de tratamento específico para Jogo Patológico (normalmente em universidades), ou a consulta periódica de profissionais capacitados, ou ainda a participação em reuniões de grupos de auto-ajuda como os Jogadores Anônimos, que funciona nas mesmas bases de alguns programas para dependentes de álcool.

Vânia Vargas, psicóloga


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade