Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Decisão do STJ vetou a recusa

Plano de saúde não pode recusar clientes

Folhapress
22 fev 2024 às 12:09
- iStock
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade
Decisão recente do STJ vetou a recusa do plano de saúde à contratação de uma cliente endividada; advogado especialista em Direito à Saúde explica que este tipo de recusa fere a legislação do setor, o Código de Defesa do Consumidor e contraria o entendimento da Justiça sobre o tema


A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, recentemente, que o plano de saúde não pode se recusar a aceitar um novo cliente, ainda que o mesmo esteja endividado. De acordo com o STJ, "o simples fato de o consumidor possuir negativação nos cadastros de inadimplentes não justifica, por si só, que a operadora recuse a contratação de plano de saúde".


A decisão atendeu ao pedido de uma consumidora que foi impedida de contratar o convênio médico por possuir dívidas negativadas. O colegiado do STJ ressaltou, ainda, que negar o direito à contratação de serviços essenciais, como a prestação de assistência à saúde, por motivo de negativação de nome constitui afronta à dignidade da pessoa, além de ser incompatível com os princípios do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O professor da pós-graduação em Direito Médico e Hospitalar da USP de Ribeirão Preto e advogado especialista em plano de saúde, Elton Fernandes, explica que este tipo de recusa é entendida como seleção de risco e afronta não só ao CDC, como é vetada pela Lei dos Planos de Saúde e pela Agência Nacional de Saúde (ANS). Segundo o especialista, o entendimento vale também para situações em que a operadora dificulta a contratação por pessoas com doença preexistente ou idosos.

Leia mais:

Imagem de destaque
Saúde da mulher

Tempo para início de tratamento de câncer de mama é 3 vezes maior que o previsto em legislação

Imagem de destaque

Governo federal lança programa para ampliar acesso a especialistas no SUS

Imagem de destaque
Combate à doença

Apucarana aplica 332 doses de vacina contra a dengue na segunda remessa do imunizante

Imagem de destaque
Entenda

Veto a procedimento de aborto legal já afeta atendimentos a meninas estupradas


"O artigo 14 da Lei dos Planos de Saúde diz que ninguém, em razão de ser portador de uma doença ou de uma deficiência, por exemplo, pode ser impedido de contratar um plano de saúde. Ou seja, nenhuma operadora de plano de saúde pode deixar de vender um contrato ao consumidor se este contrato estiver disponível", detalha o advogado Elton Fernandes.

Publicidade


DIREITO A SAÚDE 

Publicidade


Na decisão do STJ, o ministro Moura Ribeiro destacou que o Código Civil prevê que a liberdade de contratação está limitada pela função social do contrato, algo maior do que a mera vontade das partes. "A contratação de serviços essenciais não mais pode ser vista pelo prisma individualista ou de utilidade do contratante, mas pelo sentido ou função social que tem na comunidade", afirmou o ministro.

Publicidade


Em seu voto, Moura Ribeiro ponderou que o fato de o consumidor possuir uma negativação passada não significa que ele vá deixar de pagar futuras aquisições. No processo julgado pelo STJ, a operadora de saúde justificou a recusa à contratação como uma forma de evitar a inadimplência já presumida da consumidora negativada. "Na hipótese dos autos, com todo respeito, não parece justa causa o simples temor, ou presunção indigesta, de futura e incerta inadimplência do preço", concluiu.

Publicidade


SELEÇÃO DE RISCO

Publicidade


A decisão do STJ, segundo o advogado especialista em Direito à Saúde, pode servir como exemplo para outros julgamentos similares, já que se constitui um precedente. Elton Fernandes relata que há diversos entendimentos da Justiça, amparados pela legislação do setor, que também condenam a seleção de risco por parte dos planos de saúde, seja motivada pela negativação do cliente, pela idade ou pela constatação de uma doença preexistente. "A Justiça tem, reiteradamente, entendido que não é possível às operadoras de planos de saúde promoverem aquilo que nós chamamos de seleção de risco", contou.

Publicidade


O professor de Direito afirma que as operadoras de planos de saúde fazem a seleção de risco porque para elas é mais rentável ter apenas pessoas saudáveis em seus contratos ou que não vão gerar despesas, mas a legislação do setor veda este tipo de conduta. "Se existe uma pessoa com alguma doença preexistente, por exemplo, pode ser imputada até uma carência, ou seja, um tempo que ela vai pagar o plano de saúde sem acessar alguns serviços de alta complexidade para tratar aquela doença especificamente, mas ela não pode ser impedida da contratação do plano de saúde", conclui Elton Fernandes.


Imagem
Uso de antidepressivo e analgésico pode provocar acidentes de trânsito, alerta associação médica
Uso de medicamentos comumente prescritos por médicos pode prejudicar a capacidade de um motorista em conduzir um veículo e resultar em acidente de trânsito.
Imagem
Paraná anota 8,4 mil novos casos de dengue; Londrina registra óbito pela doença
O informe semanal da dengue, divulgado nesta terça-feira (20) pela Sesa (Secretaria da Saúde do Paraná), registrou 8.414 novos casos, 18.960 notificações e confirmou mais um óbito pela doença no período epidemiológico, monitorado desde 30 de julho.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade