Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Entenda

Chegada de carro voador no Brasil esbarra em falta de lugar para pousar e decolar

Paulo Ricardo Martins - Folhapress
14 mar 2024 às 21:00
- Divulgação/Eve
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

À espera dos primeiros voos comerciais de carros voadores, especialistas e empresas do setor apontam desafios para o começo da operação no país.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda

Carro a álcool vai voltar ao mercado e terá opções híbridas

Imagem de destaque
Segurança

Uber lança recurso que grava passageiro pelo app do motorista

Imagem de destaque
Agora SPVAT

Deputados federais de Londrina discordam sobre retorno do DPVAT

Imagem de destaque
Entenda

Motociclista que transporta passageiros ganha entre 60% e 75% mais, diz pesquisa

Eles citam problemas de infraestrutura e falta de regulamentação como alguns dos obstáculos para a utilização em massa dos veículos, formalmente chamados de eVtols (aeronaves de decolagem e pouso na vertical).

Publicidade


Paul Malicki, CEO da companhia de táxi aéreo Flapper -que já encomendou eVtols da fabricante brasileira Eve e de outras marcas-, chama a atenção para os poucos projetos brasileiros de vertiportos. O termo se refere à área de pouso e decolagem dos carros voadores, que tem estrutura semelhante a um heliponto.


"Existem iniciativas pré-anunciadas por alguns aeroportos, mas nada de fato muito concreto", diz.

Publicidade


Segundo Malicki, nem todos os helipontos deverão ser usados como vertiportos. Um dos motivos é o carregamento desses veículos. "Para recarregar um eVtol, é necessária muita energia elétrica, e não são todos os prédios que possuem isso", diz.


A Anac ainda estuda uma regulamentação sobre o tema. Em outubro, a agência publicou recomendações a operadores de vertiportos, orientando que a infraestrutura siga, em um primeiro momento, moldes semelhantes aos helipontos. A autarquia, porém, pediu atenção a peculiaridades dos veículos e a procedimentos como troca ou carregamento de bateria.

Publicidade


Agora, a agência vai avaliar novas soluções e tecnologias para vertiportos no país. Até a sexta-feira (8), a Anac recebeu inscrições de propostas técnicas que abranjam a construção e a operação desses locais.


De olho no mercado, a Pax Aeroportos -concessionária controlada pela XP Asset Management que administra o terminal de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, e o Campo de Marte, na capital paulista- está conversando com fabricantes e empresas que encomendaram eVtols para entender mais como será o modelo de negócio.

Publicidade


O CEO da companhia, Rogerio Prado, afirma que a Pax já estuda o tema e tem áreas reservadas nos dois aeroportos para os futuros vertiportos. Segundo ele, a implementação será possível em dois ou três anos.


Ele afirma que o espaço aéreo paulista é supercongestionado, mas diz que o problema será solucionado pelo Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo). "É uma preocupação da indústria, mas acreditamos que isso vai ser resolvido", afirma Prado.

Publicidade


Recentemente, o Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) publicou diretrizes para os voos de eVtols no país. Segundo o órgão, a operação desses veículos deve começar logo após o processo de certificação dos modelos -que é de responsabilidade da Anac.


O documento reúne características da operação do novo serviço e servirá de base para a futura implementação do mercado no espaço aéreo brasileiro. O Decea está recebendo sugestões públicas para as diretrizes até o fim de março.

Publicidade


A consultoria KPMG rebaixou o Brasil em seu ranking dos países mais bem preparados para receber os carros voadores. O país caiu da 8ª posição para 11ª colocação. O monitoramento considera fatores como aceitação do consumidor, legislação e oportunidade de negócio.


Para Camila Andersen, sócia da KPMG, a queda apresentada pelo Brasil não significou uma piora do mercado nacional, mas sim um avanço de outros países cujos governos investem fortemente no setor.


PAÍSES MAIS BEM PREPARADOS PARA RECEBER CARROS VOADORES


Fonte: KPMG
Estados Unidos;
China;
Reino Unido;
Japão;
Coreia do Sul;
França;
Alemanha;
Canadá;
Austrália;
Suíça;
Brasil;
Emirados Árabes;
Espanha;
Nova Zelândia;
Noruega.


Um dos problemas apontados é a conectividade para a operação das aeronaves. Segundo Andersen, o Brasil vem melhorando nesse quesito, mas ainda está longe do cenário ideal.


"Os eVtols são majoritariamente autônomos. Não vai ter piloto. Eles voam conectados à internet. Às vezes, [o problema] não é nem tanto a infraestrutura das cidades ou de vertiportos, mas é muito mais uma questão de infraestrutura de conectividade".


A KPMG chama a atenção também para a necessidade de uma regulamentação que defina, por exemplo, como será o tráfego aéreo entre helicópteros e eVtols nas grandes cidades e onde os carros voadores poderão pousar ou decolar.


"Não dá para voar para qualquer lugar sem avisar, sem estar na rota. Tudo isso são questões que precisam estar regulamentadas para que as empresas sigam determinadas regras", afirma.


Imagem
Carros flex são maioria no Brasil, mas só 30% da frota usa etanol, diz estudo
A maioria dos veículos vendidos no Brasil é flex -ou seja, pode ser abastecida com etanol ou gasolina, em qualquer proporção-, mas somente 30% da frota utiliza o combustível derivado da cana-de-açúcar.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade