Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Trabalhar e ser feliz - bastidores de um cara bacana

31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

O cara da foto ali embaixo trabalha bastante. É chef de cozinha, administra seus restaurantes, cuida das franquias que estão abrindo aqui em Curitiba e em outras cidades, escolhe, contrata e treina novos funcionários, é pai recente e ainda acha tempo para otras cosítas más.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Por exemplo, agora, quando está viajando para outros lados do planeta. Para pesquisar, aprender, somar experiências e voltar ainda mais afiado.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Junior Durski: conheço por entrevistas, por ele aparecer na mídia, por já ter comido no restaurante dele - quando, aliás, sem saber que eu era jornalista, se aproximou simpaticamente da nossa mesa e perguntou se estávamos bem servidos (eu, meu marido e um casal de amigos).


Olha a cara de felicidade. Conversando com a comida?


Ele me transmite a sensação de estar sempre feliz. De bem com a vida. E olha como esse homem trabalha. Não sei se o leitor sabe, mas vida de chef de cozinha não é bolinho - sem trocadilho.

Continua depois da publicidade


Eles enfrentam sim as panelas, todo santo dia. Supervisionam cozinha. Por mais estrelados e famosos que sejam, os bons chefs jamais deixam a "oficina" de seus restaurantes totalmente nas mãos de funcionários por muito tempo - por mais graduados e competentes que estes sejam.


E muitos chefs ainda acham tempo, energia e vontade para cozinhar em casa, para a família, testar receitas, inventar moda e mandar bala num arroz-com-feijão. Ou alguém acredita que família de cozinheiro cinco-estrelas come todo dia no restaurante?


Acredito que estar de bem com a vida é trabalhar com alegria.


Privilegiados os que podem trabalhar com o que amam (me incluo nessa categoria, apesar de todos os percalços do cotidiano e dificuldades dessa profissão, e agradeço diariamente a Deus e a quem me ajudou pelas oportunidades que tenho). Desse jeito, trabalho perde o peso de ser apenas obrigação, do tipo, bater cartão, cumprir horário e tarefas, e pronto.


Muita gente diz que faz o que gosta e ainda é pago para isso. (Entre meus sonhos ainda não concretizados está viajar mais - bastante mesmo - conhecer gentes e lugares, sendo paga pra escrever sobre as experiências mundo afora - e escrever livros que possam ser lidos...)


Penso que pessoas assim não esperaram que oportunidades caíssem do céu. Perceberam seus potenciais. Acreditaram em seus talentos e sonhos, e foram atrás.

Será essa a fórmula?


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade