Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade

29 de Abril - Dia Internacional da Dança

28 abr 2024 às 18:02
- Imagem gerada pela IA do Bing
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

29 de Abril - Dia Internacional da Dança. A comemoração foi criada para destacar o trabalho do francês Jean-Georges Noverre (1727-1810), bailarino, professor y escritor. Autor de “As cartas sobre a dança", que influenciou gerações de bailarinos.


Dança - Texto de Jucélia Betinardi Fachini comemorando o Dia da Dança

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Eu sempre gostei muito de dançar. A dança deixa as pessoas mais alegres. Ela faz bem para o corpo, para a alma, e também levanta a nossa autoestima. Há vários tipos de dança: Balé, Valsa, Samba, Funk, Sertaneja, Rumba, Dança do Ventre, Tango, Flamenco, Street Dance (Dança de rua), Salsa, Merengue, etc...

Leia mais:

Imagem de destaque

Os mortos - miniconto de Araceli Otamendi

Imagem de destaque

Artistas Cili Nandes e Etty Nandes participaram do Sarau na Feira do Poeta de Curitiba

Imagem de destaque

Poético Dia dos Namorados

Imagem de destaque

Desafabo de um irmão (Alagamento) - por Marli Boldori

Quando jovem eu ia nos bailes de Igreja, dançava sem parar... Nos dias atuais eu continuo dançando com minhas netinhas, e com o meu netinho.

Publicidade

Se uma criança tem o sonho de dançar, devemos incentivá- la a dançar. Pois vai dar bem-estar a ela. Na sua fase adulta a criança ficará preparada para dançar, realizando seu sonho. Sendo assim uma pessoa mais feliz.

Viva o dia da dança!

Publicidade

*

Na continuação poemas de Atílio Andrade, Rosani Abou Adal e Isabel Furini comemorando a DANÇA

Publicidade

A última dança- Poema de Atílio Andrade

As folhas

Publicidade

em seu último  suspiro

chicoteiam  o ar em sua última dança,

Publicidade

e, engravidam a terra

com beijos de esperança

Publicidade

*

Dança Invisível - por Rosani Abou Adal

Dançar com o invisível,

sapatear com o imaginário.

Compasso doze por oito,

tempo forte embala

os movimentos ritmados.

Pés e mãos entrelaçados,

voam em busca do inatingível,

bailam como uma andorinha,

acompanham a melodia,

voam livres no espaço cênico.

Movimento, tempo e espaço

em harmonia com a metereologia

do tempo e do corpo.

Dança, em homenagem a Osíris,

para encantar o ventre,

clássica ou moderna,

eleva o corpo ao mundo das pureza.

*

A Dança dos Sete Véus -Isabel Furini

Ela dança e depois descansa os pés

sobre o abismo da emoção

enquanto brinca com seus sete véus

um pequeno escorpião amarelo

o escorpião morde seus pés

e as lembranças 

iniciam uma contradança

- desta vida alguns levam sorrisos, abismos

sonhos, rancores, lágrimas ou arpões

outros poemas, canções ou amores

a dançarina levará a sua dança

e sete véus ornados com escorpiões.

Isabel Furini - Contato: [email protected]

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade