11/07/20
26º/14ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Isabel Furini
Isabel Furini
03/02/2020 - 11:52
Imprimir Comunicar erro mais opções
Breve fala sobre a vida

Gosto de pensar a vida humana como flores que nascem de um mesmo pé. Cada uma é uma manifestação divina em sua identidade e particularidade, mas todas estão na mesma raiz. Em sua beleza e nas incorreções, tudo o que se apresenta é um ser integral ligado ao todo. Cada detalhe de corpo ou personalidade completam o ser que se faz presente no mundo.

A Flor de Íris, por exemplo, tem uma presença indescritível. Suas cores e desenhos se apresentam escancaradamente belas. Já pela manhã apontam, abrem, nos entregam o que tem de melhor e morrem. O ciclo é tão rápido. Olhar uma Íris acabada de abrir é o mesmo que olhar o olho de Deus. Estar ali diante dela no mesmo momento de seu florescimento é algo a se admirar e festejar com todo júbilo e reverência.

Assim devíamos fazer com toda a vida que aqui está. Reverenciar cada ser.

O ciclo de vida humana não é muito diferente, apesar de durar muito mais, também tem seu momento de florescimento. Assim como a Íris, que muitas vezes crescem e estão prontas para abrir mas não florescem, somos nós. Temos uma força imensa, uma beleza nata, mas não desabrochamos. A diferença é que para a Íris não abrir não teve a vontade dela mesma. Apenas isso não aconteceu naquele dia. Mas para os humanos que somos não abrirmo-nos ao mundo para que se revele nosso melhor, muitas vezes – para não dizer sempre – há um impedimento vindo de dentro de nós mesmos. Os padrões, critérios e valores que adotamos e que acabam por nos limitar, nos cobrir de medo e nos retrair para a vida. Se apenas deixássemos ser, assumíssemos aquilo que somos sem medo ou comparação. Sem nos entregar à dualidade externa criada e imposta por nós, quem sabe assim poderíamos ver todos em seu florescer para a vida. Não estou falando aqui de coragem, de resiliência, força, abnegação ou autoafirmação. Estou falando em ser o que viemos para ser, livres.

"Toda substância acabará, o céu e a terra acabarão, tudo acabará como eu acabarei, mas acabar e começar não são diferentes…” – Tao



Flavia Quintanilha é poeta, nascida em Maringá-PR.Possui graduação em Filosofia pela Universidade Estadual de Londrina. É mestra em Filosofia pela Universidade Estadual Paulista e doutoranda em Filosofia pela Universidade de Coimbra. Membro colaborador do Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, pesquisa na área de Filosofia Prática e Ética com ênfase na Racionalidade Hermenêutica, Identidade Narrativa e Metapoesia. Em 2015 publicou o livro Aporias da Justiça: entre Habermas e Rawls, pela Novas Edições Acadêmicas e em 2018 o livro de poesia A mulher que contou a minha história, pela Kotter Editorial - selo Sendas
COMENTE ESTE POST

 Caracteres restantes : 2000
Isabel Furini
 
Isabel Furini, escritora e educadora. Recebeu prêmios em concursos de poesia e de contos. Publicou 15 livros, entre eles: Mensagens das Flores e Ele e outros contos. Também escreve para o público infanto-juvenil. É autora da coleção "Corujinha e os Filósofos" da Editora Bolsa Nacional do Livro de Curitiba.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados