Pesquisar

Canais

Serviços

cinq sens du vin
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Qualidade aos 5 sentidos

07 mar 2017 às 23:25
Continua depois da publicidade

Qualidade aos 5 sentidos

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Em recente estudo notei que muitos autores abordam, diferentemente, um mesmo assunto. A grande questão hoje é a qualidade dos vinhos.
Sem a necessidade do foco aos grandes vinhos, caros, quase inacessíveis, mas ao contrário, bons vinhos estão cada dia mais acessíveis. Vejamos a sabedoria determinada pelo mercado: o melhor vinho é aquele de que o consumidor gosta e pode adquirir, dentro de um padrão, torna se uma grande realidade!
Com o aumento do consumo e consequente incremento da produção, pesquisa, desenvolvimento e competitividade, o mercado está ofertando cada vez mais excelentes produtos, com um custo bem melhor. Isso se compararmos à situação de 20 anos atrás.
Este fenômeno se deve muito à indústria vitivinícola do Novo Mundo, países como: Argentina, Chile, África do Sul, Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia que estão revolucionando o mercado com tecnologia, dos vinhedos às vinícolas, possibilitando colocar no mercado excelentes vinhos a ótimos preços. Tal fato está mexendo diretamente com os mercados do Velho Mundo. Na Europa, obviamente, existem os grandes vinhos de regiões muito famosas com altos preços, considerados verdadeiras "joias", mas o setor produtivo em geral está redirecionando a produção, diminuindo o volume e partindo para a produção de vinhos de qualidade a preços mais acessíveis.
Desta forma, uma boa sugestão é fazer o consumo correto dos produtos. Aproveitar ao máximo de tudo aquilo que o vinho tem a oferecer, observando todo o potencial que o produto possa oferecer ao consumidor na consciência de fazê-lo aos "cinco sentidos".
Os cinco sentidos: expressão utilizada por enólogos e profissionais que explica como deve ser consumido o vinho. 1) Visão, que direciona às cores e suas nuances; 2) Olfato, que diz respeito aos padrões aromáticos; 3) Paladar, relacionando aos mais complexos sabores; 4) Tato, que se relaciona à temperatura no momento do consumo; 5) Audição, que se relaciona aos toques do líquido na taça, quando este se move, e ao próprio brinde.
Assim, temos condições de analisar, considerar a qualidade intrínseca, ou seja, a qualidade do produto a que se referem os enólogos e profissionais. Tal fato não está somente relacionado no momento do consumo, mas também algum tempo depois. Se o vinho for realmente de qualidade, o consumidor não terá surpresas desagradáveis horas depois, ou mesmo no dia seguinte. Terá somente boas ou ótimas lembranças daquele momento.
Por isso, é muito oportuno pensar e, antes de fazer a escolha, decidir qual vinho comprar, levar em consideração o fato de que nossa saúde é o nosso maior patrimônio!


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade