Pesquisar

Canais

Serviços

Gilson Abreu/AEN-PR
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Ampliação de mercados

Apesar de produção encarecida, agronegócio paranaense projeta 2022 positivo

Lucas Catanho/Especial para a Folha de Londrina
31 dez 2021 às 09:37
Continua depois da publicidade

Embora enfrente como principais desafios os altos custos de produção puxados pela energia elétrica e pelo dólar valorizado, o agronegócio paranaense projeta um 2022 positivo, com ampliação de mercados e a manutenção na valorização dos produtos

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A análise foi feita por especialistas do setor.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Luiz Eliezer Ferreira, técnico do DTE (Departamento Técnico e Econômico) do Sistema Faep/Senar-PR, projeta que a ampliação de mercados na pecuária será um dos pontos positivos para o agro paranaense no novo que se inicia.


O Estado foi reconhecido, em maio de 2021, como área livre da febre aftosa sem vacinação, pela Organização Mundial de Saúde Animal. 


Em agosto de 2020, o Paraná já havia obtido reconhecimento nacional do Ministério da Agricultura e Pecuária.

Continua depois da publicidade


“Esse reconhecimento trouxe uma segurança sanitária importante para promover a abertura de novos mercados. Os abates devem ser ampliados para atender tanto o mercado interno quanto o mercado externo”, destacou o técnico do Sistema Faep/Senar. 


Ferreira acrescenta que esse novo status deverá gerar impacto positivo principalmente na importação de carne bovina por países como Japão, Estados Unidos e nações europeias. 


O Paraná, por sua vez, é o maior produtor e exportador de proteína animal do País.


O Estado também deverá comemorar no ano que vem produções recordes de soja e de milho. Projeções iniciais apontam que mais de 20 milhões de toneladas de soja e mais de 17 milhões de toneladas de milho devem ser produzidos na safra 2021/2022.


Continue lendo na Folha de Londrina.

Continue lendo