Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Denuncie!

Serviço público pune 12% dos acusados de assédio moral e 21% dos acusados de assédio sexual

Alexa Salomão - Folhapress
24 nov 2023 às 11:35
- Reprodução/Canva
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O nome é fictício a pedido do entrevistado, mas a história é real. Manoel Cardozo é servidor de carreira concursado subordinado a uma autoridade de alto escalão do funcionalismo federal. Esse chefe é conhecido pela impaciência com os subordinados. Faz comentários jocosos sobre o desempenho da equipe. Todo o mundo releva com o argumento de que tem gente pior.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Há alguns meses, o chefe xingou Cardozo na frente dos colegas. Na sequência, o servidor adoeceu e saiu de licença.

Leia mais:

Imagem de destaque
363 yanomamis morreram

Um ano foi insuficiente para lidar com toda situação em terra yanomami, diz Guajajara

Imagem de destaque
Redução na taxa

Desmatamento na Amazônia cai 60% em janeiro deste ano

Imagem de destaque
Após cirurgia

Morre, aos 84 anos, o economista Affonso Celso Pastore, que presidiu o BC nos anos 1980

Imagem de destaque
Estrategia de marketing

Procon-SP pede explicações do McDonalds por sumiço do McFish


Só então, alertado por um profissional de saúde, associou o mal-estar que o acometia ao sentimento de humilhação que se tornara recorrente quando pisava na repartição. Decidiu, então, protocolar uma denúncia de assédio moral e pedir transferência. Ainda aguarda a conclusão de suas demandas.

Publicidade


Analisando os dados gerais sobre sobre esse tipo de procedimento no serviço público brasileiro, o desfecho dessa história ainda pode ser favorável ao chefe.


Essa tendência foi identifica na pesquisa "Servidoras e Servidores Públicos contra Assédio e Violência no Trabalho: Limites da Estabilidade do Mecanismo de Proteção".

Publicidade


Imagem
Bancos fazem leilões com mais de 400 imóveis em diversos Estados brasileiros
Caixa Econômica Federal, Itaú e Santander irão leiloar extrajudicialmente 490 imóveis, entre residenciais, comerciais e terrenos.


Trata-se do mais amplo estudo do gênero já feito no Brasil, com dados consolidados para o Poder Executivo na União, nos estados e no Distrito Federal, entre 2022 até outubro de 2023.


A pesquisa foi encomendada pela República.org, entidade que fomenta a qualidade no serviço público, para dar luz ao tema, e será apresentado nesta sexta-feira (24) na Flip, a festa literária internacional, em Paraty (RJ).

Publicidade


"Acreditamos que a valorização do servidor público passa por discussões sensíveis como a do assédio, mas isso demanda dados para dar consistência às análises. Não havia um recorte tão detalhado quanto o que conseguimos com essa pesquisa", diz Vanessa Campagnac, vice-presidente do conselho da República.org.


"O assédio no setor público requer um atendimento mais específico por causa de caraterísticas particulares da atividade, como a estabilidade e a convivência mais prolongada das equipes em alguma área ou função."

Publicidade


O raio-X sobre o assédio mostra lacunas nos órgãos públicos para apurar as denúncias e punir os responsáveis.


Imagem
Banco Central alerta contra falso aplicativo de verificação de valores a receber
Quem tem recursos esquecidos no sistema financeiro deve consultar somente a página oficial do BC (Banco Central), divulgou o órgão na quinta-feira (23), em Brasília.


A advogada Myrelle Jacob, que coordenou a pesquisa, afirma que um dos entraves é a morosidade. Desde o relato do eventual ilícito nos canais de denúncia até a instauração de algum procedimento administrativo transcorrem-se, em média, 500 dias.

Publicidade


O relato vai passar pelo crivo de uma ouvidoria, ser chancelada para corregedoria antes de chegar à fase de investigação.


Em um dos poucos trabalhos que compara esses trâmites nos setores público e privado no Brasil, realizado pela pesquisadora Margarida Barreto, identificou-se que 60% dos processos nas repartições públicas podem se prolongar por 36 meses. No setor privado, essa taxa cai para 4%.

Publicidade


Barreto relatou que chegou a encontrar casos de assédio em empresa pública com duração de oito anos, enquanto na empresa privada o máximo foi de um ano e meio.


A morosidade pode ser um fator que desestimula a denúncia.


Os dados coletados demonstram que, no ano passado, por exemplo, foram feitas 3.638 denúncias de assédio no âmbito do Executivo federal, uma fração do todo. Esse segmento conta com 1 milhão de servidores, cerca de 560 mil excluindo estatais.


"O número de denúncias é absurdamente baixo", diz a pesquisadora.


Imagem
Veja cuidados para não se endividar com promoções da Black Friday
Metade dos brasileiros pretende fazer compras na Black Friday deste ano, segundo pesquisa do Datafolha realizada pela Abecs


O levantamento também identificou uma maior propensão a denúncias sobre humilhação e constrangimento públicos. Do total das denúncias, 82% foram classificadas como assédio moral e 18%, como assédio sexual.


No entanto, apesar de haver mais queixas de assédio moral, o número de punidos, proporcionalmente, é inferior.


No caso do assédio moral, 12,3% das pessoas denunciadas receberam algum tipo de penalidade, com demissão de 1,5%. No caso do assédio sexual, 21,3% dos denunciados sofreram alguma penalidade, sendo que 9,4% foram demitidos.


A falta de um conceito detalhado para assédio moral, a ausência de previsão legal para o tratamento desse tipo de importunação e a tendência a ser considerado uma forma mais branda de assédio seriam algumas explicações para a baixa taxa de punição, explica a pesquisadora.


"Os números mostram como é difícil que uma denúncia leve efetivamente à abertura de um processo administrativo, mas a gente não tem clareza sobre o que ocorre no trâmite. Não é possível saber em que ponto uma denúncia foi arquivada", afirma Jacob.


A margem de reação do servidor assediado tem limitações judiciais. Se não se sentir atendido em um pleito administrativo, ele pode recorrer a um processo civil ou criminal, mas não à Justiça do Trabalho, uma vez que seu contrato não é regido pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).


Imagem
Pesquisa Top de Marcas Londrina revela as marcas mais lembradas no Município
Todos os entrevistados, enquadrados nas cotas respaldadas no perfil da população local, respondem à pergunta: “Qual a marca que mais se lembra quando pensa em...?”.


Sobre os estados e o Distrito Federal, todos, segundo a pesquisa, têm algum tipo de canal de denúncia pela internet, mas apenas Minas Gerais instituiu um canal especifico.


"Na maioria dos entes federativos, o servidor faz a sua denúncia de assédio no mesmo canal em que a população reclama do buraco na rua", afirma Jacob.


No aspecto legal, a pesquisa identificou que quase metade dos governos estaduais ainda não tem estruturas aptas para atender o servidor que se sente assediado.


Dos 26 estados, 14 deles, além do Distrito Federal, adotaram legislações que tratam de assédio na administração pública. Desagregando por tema, o assédio sexual foi regulamentado por 5 unidades federativas, em comparação ao assédio moral, que ocorreu nos 14.


Apenas 2 estados definiram o conceito para assédio sexual (Amazonas e Rio Grande do Sul) e 12 descreveram o assédio moral (Acre, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Tocantins, Rondônia, São Paulo e Sergipe).


Imagem
Comerciantes e entidades protestam contra restrição a bares da rua Paranaguá em Londrina
As alterações no Código de Posturas do Município que restringem bares na Rua Paranaguá, região central, causaram protestos entre comerciantes e entidades de classe do setor.


Para além das estruturas de atendimento, Jacob questiona premissas sobre a temática.


O conceito de assédio, por exemplo, se restringe a relações entre as pessoas e o efeito de processo no trabalho, sem considerar a discriminação racial e de gênero.


"Na avaliação de uma denúncia, assédio moral, assédio sexual e discriminação são tratados como questões diferentes, mas na realidade não são. A discriminação não é um ato isolado, mas uma das raízes do assédio", afirma Jacob.


Outro ponto que incomoda a pesquisadora é o fato de as normas sobre o tema no serviço público não considerarem casos isolados de violência psicológica como assédio.


"Normalmente, assédio está associado a repetição de conduta, mas a gente sabe que um único ato, a depender de sua gravidade, já pode ser suficiente para afetar o emocional e o desempenho de um servidor."

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade