Pesquisar

Canais

Serviços

- Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Limitação no serviço médico

Auxílio do INSS sem perícia deve atender 600 mil para zerar fila

Folhapress
12 abr 2021 às 15:40
Continua depois da publicidade


A nova modalidade de concessão do auxílio-doença do INSS, via atestado, deve acelerar a liberação do benefício. Atualmente, cerca de 598 mil pedidos estão na fila aguardando perícia médica. Os dados foram obtidos pelo IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário) junto ao órgão. O tempo médio de concessão, hoje, é de 90 dias, diz o INSS.

Continua depois da publicidade

Diferentemente do ano passado, quando foi permitida a concessão de um adiantamento de R$ 1.045 (salário mínimo de 2020) para quem enviasse a documentação pelos canais remotos, agora será dada a concessão do valor integral, caso o segurado tenha direito de ganhar mais do que o mínimo.

Continua depois da publicidade


O INSS e a Perícia Médica Federal afirmam que, por enquanto, não há uma previsão de qual será a redução exata no tempo de espera, mas a expectativa é que a avaliação leve um tempo menor. "O envio de documentação visa exatamente agilizar a análise do benefício, pois tem o potencial de evitar a abertura de exigências ao segurado para apresentação das mesmas, quando necessárias", diz a Secretaria de Previdência.


Para o IBDP, apesar de a dispensa da perícia facilitar a diminuição da fila, a modalidade não é eficiente para segurados com doenças crônicas, por exemplo.

Continua depois da publicidade


"Com a perícia indireta com data prevista para alta, pode-se imaginar uma redução nominal da fila, mas não a solução definitiva da análise", diz Diego Cherulli, vice-presidente do IBDP.

O advogado afirma que doenças incapacitantes de natureza degenerativa e crônica não têm data prevista para alta. "Estamos num período onde há falta de profissionais e filas de espera para internações, ante a pandemia. Esta situação vem dificultando o atendimento da saúde não relacionada à Covid, impossibilitando, por vezes, previsão de alta", afirma Cherulli.


Continue lendo