29/09/20
°/°
PUBLICIDADE
Será?!

Equipe econômica estuda prorrogar auxílio emergencial até dezembro por pressão política

Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


O Ministério da Economia avalia que o auxílio emergencial pode ser estendido até dezembro. Embora membros da pasta mencionem preocupação com o impacto fiscal da medida, há o entendimento que pressões políticas podem levar à prorrogação.


O auxílio emergencial já demanda R$ 254,2 bilhões e representa a medida mais cara do pacote anticrise. O programa foi criado para durar apenas três meses, com valores concedidos em abril, maio e junho. Depois, foi prorrogado por dois meses (até agosto).

Técnicos do Ministério da Economia dizem que o programa tem um custo mensal aproximado de R$ 50 bilhões. Por isso, a prorrogação com as mesmas regras até o fim do ano faria o custo total chegar a R$ 450 bilhões (quase cinco vezes o rombo de todo o governo em 2019, de R$ 95 bilhões).

O ministro Paulo Guedes (Economia) defende um valor de R$ 200. Ele entende que esse valor representa aproximadamente a média recebida no Bolsa Família, e que portanto o auxílio não poderia ser maior do que isso.

No entanto, Guedes já defendia uma redução para R$ 200 em maio caso a medida fosse prorrogada, e o governo estendeu o auxílio por mais dois meses mantendo a quantia de R$ 600.

A prorrogação do benefício pelo valor de R$ 600 dispensa novo aval (e possível derrota) no Congresso. Isso porque a lei do auxílio permite a extensão por ato do Executivo, mas mantendo os valores previstos na proposta (de R$ 600 ao mês).

A equipe econômica sempre defendeu que a medida fosse temporária e não se prolongasse, mas a partir de maio amenizou o discurso e passou a admitir extensões (embora defendendo valores menores).

Desde que foi desenhado, para durar três meses, o auxílio emergencial é alvo de interesse no mundo político, principalmente em torno dos valores concedidos. O valor de R$ 600 só foi alcançado após embates entre Executivo e Legislativo durante a formatação da proposta.

Guedes propôs inicialmente uma quantia de R$ 200 e o Congresso pressionou por uma elevação para R$ 500. Depois, o governo aumentou para R$ 600 para ficar com a paternidade do valor concedido.

Apesar disso, Guedes considera que a disputa prejudicou o formato do auxílio, entendendo que a medida poderia durar mais se tivesse um valor mais baixo.

As novas discussões sobre o auxílio emergencial coincidem com a retomada das agendas do presidente Jair Bolsonaro, que fez recentemente viagens ao Nordeste (região com grande número de beneficiários dos programas do governo) e chegou a tirar fotografias em meio a moradores locais usando chapéu de cangaceiro.

Neste domingo (2), Bolsonaro falou sobre o auxílio emergencial. Apesar de não mencionar a possível prorrogação até o fim do ano, ele criticou quem defende que a medida seja permanente.

"Alguns estão defendendo o auxílio indefinido. Esses mesmos que quebraram os estados deles, esse mesmo governador que quebrou seu estado, está defendendo agora o [auxílio] emergencial de forma permanente. Só que, por mês, são R$ 50 bilhões. Vão arrebentar com a economia do Brasil", disse o presidente.​

A criação de medidas está facilitada neste ano por causa da suspensão de diferentes regras fiscais devido à pandemia (como a meta de resultado primário e a regra de ouro, que impede endividamento para bancar gastos correntes).

Mesmo assim, a equipe econômica se preocupa com a trajetória de endividamento público, impulsionada pelas próprias ações anticrise e pelos impactos da retração da atividade na arrecadação federal. Há cerca de um mês, o governo elevou a projeção da dívida bruta do governo de 77,9% para um recorde de 98,2% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020.

Para tentar evitar mais meses de auxílio emergencial, o Ministério da Economia passou a rediscutir programas sociais (como o abono salarial) para cortar despesas e redesenhar o Bolsa Família, que passaria a ser chamado de Renda Brasil e atenderia mais pessoas com um valor mais alto. O programa, no entanto, ainda está sendo desenhado e não foi lançado.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já cobrou o governo para apresentar logo o projeto do Renda Brasil para que o auxílio não seja prorrogado. "O governo precisa parar de fazer discurso sobre o tal Renda Brasil e apresentar o programa ao Congresso. O Congresso tendo espaço, tendo a proposta do governo, vai organizar de forma rápida esse debate e vai, claro, avançar, dentro da realidade fiscal brasileira", afirmou em 9 de julho.

Outra fonte de recursos, segundo disseram nos últimos dias membros do Ministério da Economia, seria o novo imposto sobre pagamentos, a ser aplicado sobretudo ao comércio eletrônico. Conforme mostrou a Folha, ele poderia render entre R$ 20 bilhões e R$ 40 bilhões ao Renda Brasil.

Mas o novo tributo, que também financiaria outras medidas (como a desoneração da folha de pagamento), encontra resistências no Congresso. Procurado por meio da assessoria de imprensa, o Ministério da Economia preferiu não comentar.
Fábio Pupo - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Combustíveis
Londrina: Procon-LD aponta alta do preço do etanol e queda no da gasolina
29 SET 2020 às 10h28
S.O.S.
Operação contra desvios na saúde mira governador do Pará, Helder Barbalho; PR é alvo
29 SET 2020 às 09h49
Obras da prefeitura
Ruas da Gleba Palhano serão interditadas para obras nesta terça
29 SET 2020 às 09h17
Veja os dados
Uenp aponta aumento nos casos de Covid-19 no Norte Pioneiro
29 SET 2020 às 09h03
Poder Judiciário
Paraná recorre de decisão que o obriga a transferir detentos de Ibiporã
29 SET 2020 às 08h54
Calor intenso
Temperaturas continuarão subindo nesta terça em Londrina
29 SET 2020 às 08h39
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados