24/11/20
PUBLICIDADE
Saiba mais

Governo anuncia mais dois meses de auxílio emergencial, mas não divulga calendário de pagamento

O governo confirmou nesta terça-feira (30) a prorrogação do auxílio emergencial. Serão liberados mais R$ 1.200 nos próximos dois meses.

Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Não foi informado, porém, como será feito o pagamento. As prestações correspondem a pagamentos do benefício em julho e agosto, que somam R$ 1.200. O governo estuda dividir esse valor em mais de um pagamento mensal.

O pagamento referente a junho começou a ser feito no último sábado e teve o saque escalonado até setembro, conforme a data de aniversário do beneficiário.

O auxílio emergencial é pago a trabalhadores informais, autônomos, desempregados e microempreendedores individuais (MEIs), cuja renda foi reduzida durante as medidas de isolamento social para tentar conter a transmissão do novo coronavírus.

O governo vinha sendo pressionado pelo Congresso a prorrogar o benefício, apesar do custo do programa emergencial.
A estratégia adotada nesta terça foi estender o auxílio com o mesmo valor atual (R$ 600), sem precisar enviar um novo projeto para o Congresso -a aprovação legislativa seria necessária caso houvesse alteração no valor.

A prorrogação será feita por decreto.

Quem já teve o cadastro aprovado pelo governo estará automaticamente apto a receber a quarta e a quinta parcela. "Não há necessidade de se recadastrar", informou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães. O banco é responsável pelo pagamento do auxílio.

Ele, porém, lembrou que o período para se cadastrar encerra em 2 de julho. Até o último balanço, 65 milhões de pessoas já tiveram o cadastro aprovado. Cerca de 1 milhão de pedidos ainda estão em análise.

A decisão de manter o valor por mais dois meses é diferente daquela anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro Paulo Guedes (Economia) na última quinta-feira (25). Eles informaram em live que deveria haver uma prorrogação do auxílio por mais três meses em parcelas de R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

O anúncio foi feito em cerimônia no Palácio do Planalto, com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ao lado de ministros e dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) disse que o governo, com a prorrogação, cumpre com determinação do Congresso de que pode haver uma extensão do benefício por ato do poder Executivo.

"É o que o presidente está fazendo, para garantir por mais dois meses a continuidade de um programa que foi a grande rede de proteção que permitiu, junto ao BEM (Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda), que preservássemos mais de 10 milhões de empregos formais e ao mesmo tempo entendêssemos essa rede de proteção a 65 milhões de brasileiros."

Em discurso, o ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou que o auxílio emergencial foi formulado com ajuda da Câmara e Senado, fazendo um afago ao Congresso. Segundo ele, o valor do benefício foi elevado para R$ 600 após o diálogo com parlamentares. Inicialmente, a ideia sugerida pelo ministro foi R$ 200 mensais.

Num gesto político, Bolsonaro chamou Maia e Alcolumbre para o momento de assinatura do decreto que prorroga o programa emergencial. O decreto passa a valer logo após a publicação, sem precisar de aval do Congresso.

Depois, em discurso, Bolsonaro afirmou ter a convicção que, se a medida fosse estendida por projeto de lei, o Congresso analisaria a proposta de forma célere.

"Essa prorrogação em boa hora, via decreto, são mais duas prestações. E esperamos que ao final dela a economia já esteja reagindo para que nós voltemos à normalidade o mais rapidamente possível, obviamente sempre tomando cuidado com o nosso bem maior, a vida", declarou Bolsonaro.

Em entrevista logo após a cerimônia, Maia falou sobre a possibilidade de fracionamento do valor.

"O importante é que, durante os 30 dias, são R$ 600", disse. "Quando você fala em fracionamento, você pode gerar alguma certa insegurança para as pessoas e também em alguns casos, uma aglomeração de pessoas desnecessária na rede bancária."

"Acho que o importante foi a decisão do governo, acho que a decisão correta, que o Parlamento autorizou na aprovação da lei do deputado Eduardo Barbosa relatada pelo deputado Marcelo Aro, que aprovou os R$ 600, autorizando o governo, pelo mesmo valor, prorrogar por decreto. É isso que está no decreto, porque é isso que manda a lei", afirmou.

A lei que instituiu o auxílio concedeu ao Executivo a possibilidade de renovar o benefício se o valor concedido mensalmente for mantido. O pagamento de R$ 600 por mês foi concedido durante três meses (abril, maio e junho). O pagamento da parcela de junho, no entanto, tem calendário de saque que se estende até setembro.

Guedes, no discurso, apresentou uma expectativa de que o país voltará a crescer apesar do tombo em 2020 e reafirmou o compromisso com o ajuste fiscal. "O fato de gastarmos muito neste ano não quer dizer que saímos do nosso trilho. Fomos apenas derrubados, mas temos a bússola na mão e vamos voltar par ao nosso curso", afirmou.

"No ano que vem, estamos de volta no nosso caminho de austeridade no sentido de responsabilidade pelas contas públicas", afirmou. O ministro disse que é necessário ainda acelerar as reformas. "O Brasil vai surpreender o mundo."

Para Guedes, em dois ou três meses o país terá uma perspectiva mais clara sobre a saída ou não da crise. "Teremos um horizonte bastante claro de se o Brasil vai ficar na pandemia e no desemprego e na miséria, como muita gente está dizendo que vai; ou se vai sair, como eu acho, mais rápido e surpreendendo outros países", disse.

Ele afirmou que sua equipe está pensando em medidas como o imposto de renda negativo e no crédito para microempreendedores. Além disso, disse que deve ser lançado o programa da carteira de trabalho Verde e Amarela, com regras trabalhistas mais flexíveis afirmando que há 30 milhões de brasileiros que só querem o direito de trabalhar sem serem atrapalhados pelo governo.

Ele comentou a saída de investidores no país e justificou que o movimento ocorre por causa da queda dos juros. "Já vão tarde. Não é o capital especulativo que nos serve, queremos investimentos diretos, recursos que virão para a mineração, petróleo, gás natural, cabotagem. Recursos que virão agora", disse.

Guedes procurou dar mais otimismo a seu discurso dizendo que o Congresso é reformista, indicando decisões favoráveis à agenda da equipe econômica. Ele citou que medidas tomadas para reduzir o Estado e o descontrole dos gastos públicos tiveram avanço antes da crise, como a reforma da Previdência.
Thiago Resende, Ricardo Della Colleta e Fábio Pupo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Fraudes

'Professora' que apresentou atestado e diploma falsos em Rolândia tem bens bloqueados

24 NOV 2020 às 11h36
Negócios locais

Shopping de Londrina anuncia sete novas atividades nas suas dependências

24 NOV 2020 às 11h21
86 anos

Aniversário de Londrina terá iluminação especial em prédios históricos

24 NOV 2020 às 10h24
Obras na cidade

Revitalização do Bosque de Londrina deve começar em janeiro

24 NOV 2020 às 10h01
Acidente fatal

Caminhoneiro morre em tombamento de bitrem na PR-435

24 NOV 2020 às 09h45
PR-445

Acidente entre carro e caminhão deixa mulher ferida na zona sul de Londrina

24 NOV 2020 às 09h22
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados