Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Decisão provisória

Justiça proíbe líder de suposta ONG em Maringá de pedir dinheiro para tratamento de animais

Redação Bonde com MPPR
01 mar 2024 às 16:39
- Marcos Zanutto/Folha de Londrina
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade
A 13ª Promotoria de Justiça de obteve liminar (decisão provisória) que obriga o responsável por uma ONG (Organização Não-Governamental) informal a apagar as contas das redes sociais em que pedia recursos financeiros para supostos tratamentos de animais domésticos.

De acordo com a investigação do MPPR (Ministério Público do Paraná), no período de 2021 a 2022, o investigado se intitulava líder da organização “Santuário Salvando Vidas” e atuava nas redes sociais solicitando doações para tratamentos de animais, especialmente cães e gatos. Ele pedia doações via pix ou ''vaquinhas'' e publicava vídeos e fotografias de animais em situação de sofrimento, a fim de sensibilizar os seguidores.


Entretanto o MP apurou que a suposta ONG não tem registro formal e não apresenta prestação de contas dos valores arrecadados. Além disso, no local onde ele mantinha informalmente a entidade, foram encontrados animais em situação de maus-tratos (sem troca de água, higiene precária, falta de alimento e ração vencida, ausência de atendimento veterinário, animais sem vacinação, filhotes convivendo com animais grandes, ausência de castração, etc).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A liminar, expedida pela 7ª Vara Cível de Maringá, determinou que o investigado suspenda a conta/perfil Instagram“salvandovidas.maringa” nas redes sociais ou aplicativos de mensagem, sob pena de multa diária de R$ 500. Pela decisão provisória, ele também fica impedido de receber qualquer doação de terceiros com o propósito de cuidados com animais, sendo possível a aplicação de multa equivalente ao dobro do valor recebido indevidamente.

Leia mais:

Imagem de destaque
Muito caro

Azeite vira artigo de luxo e ganha lacres antifurto em supermercados

Imagem de destaque
Neste mês

PF vai aos EUA verificar transações sobre caso de joias de Bolsonaro para concluir inquérito

Imagem de destaque
Aprovada em fevereiro

CNJ suspende medida que proíbe uso de cropped no STJ

Imagem de destaque
Saiba mais

Queijo Morro Azul, de Pomerode (SC), é eleito o melhor do mundo em concurso internacional


No mérito da ação civil, a Promotoria de Justiça pede a condenação ao pagamento de dano moral ambiental coletivo em, pelo menos, R$ 300 mil, a serem destinados ao Fundema (Fundo Municipal de Defesa do Meio Ambiente de Maringá).


LEIA TAMBÉM:


Imagem
Polícia Rodoviária Federal evita roubo de carga após carreta tombar na BR-369, em Andirá
A PRF (Polícia Rodoviária Federal) foi acionada na manhã desta quinta-feira (29) para evitar possíveis saqueamentos de carga a uma carreta que havia tombado na noite anterior, na BR-369, em Andirá, no Norte Pioneiro do Paraná.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade