Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Audiência pública

Fim da utilização de animais para puxar cargas é pauta na Câmara dos Vereadores de Londrina

Reportagem Local
20 fev 2024 às 10:58
- FErnando Cremonez/Arquivo CML
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Na noite desta segunda-feira (19), em audiência pública, a CML (Câmara Municipal de Londrina) ouviu a população sobre o PL (Projeto de Lei) nº 90/2023, do vereador Deivid Wisley (Republicanos), que proíbe o uso de veículos de tração animal no município de Londrina.


Coordenado pela Comissão de Justiça, Legislação e Redação, o debate encheu a sala de sessões e contou com a participação de integrantes da Associação dos Carroceiros Londrina, profissionais que trabalham com tração animal, membros de ONGs de proteção animal, assistentes sociais, vereadores e dos deputados federais Diego Garcia e Delegado Matheus Laiola.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O PL n° 90/2023 tramita na forma do Substitutivo nº 1 e altera o Código de Posturas do Município (Lei Municipal nº 11.468/2011) para proibir, para qualquer fim, o uso de veículos de tração animal em todo o município de Londrina, nas áreas urbana e rural.

Leia mais:

Imagem de destaque
Seja um doador!

Hemocentro do HU da UEL precisa de doações de sangue tipo O- e O+

Imagem de destaque
Produtos do Município

Queijos que estão à venda na ExpoLondrina são premiados em concurso mundial

Imagem de destaque
Cinco mil encomendas

Londrina: Receita Federal apreende R$ 4 milhões em produtos nos Correios

Imagem de destaque
Durante o pôr do Sol

Ana Castela, fenômeno do agronejo, encerra temporada de shows na ExpoLondrina


Conforme o PL, para o desenvolvimento das atividades de coleta de materiais recicláveis, de reciclagem de papel e demais atividades congêneres, as carroças puxadas por animais serão substituídas por veículo de propulsão humana ou mecânica. Além disso, a proposta prevê que o Poder Executivo Municipal poderá fomentar e incentivar a substituição da tração animal pela propulsão humana ou mecânica, por meio de linhas de crédito como incentivo ou subsidiadas, por meio de regulamentação própria. A fiscalização caberá “ao órgão público competente, bem como a aplicação de advertências, multas, penalidades e apreensão do animal”.

Publicidade


O projeto ainda retira do Código de Posturas os artigos 70 e 71, que tratam da obrigação do Município em cadastrar os carroceiros e promover o emplacamento das carroças, assim como de regras para o trabalho com animais de tração. Segundo a justificativa do PL apresentada por Deivid Wisley, já existem alternativas para conciliar tanto a fonte de renda dos trabalhadores quanto o bem-estar dos animais. Ele cita como exemplo o município de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, que utiliza uma estrutura metálica, de tração elétrica, para uma parte da coleta seletiva do lixo.


“A tração animal é uma situação que eu vejo como de maus-tratos. Mais cedo ou mais tarde, o animal vai quebrar um casco. Eu não quero acabar com o sustento da família de vocês, mas temos que acabar com a tração animal. O que é mais barato, colocar casco, alimentar, dar atendimento veterinário ou utilizar um equipamento elétrico?”, questionou o vereador, que apresentou fotos e vídeos de maus-tratos a cavalos.

Publicidade


Presidente da Associação dos Carroceiros de Londrina, Giuliano Custódio de Oliveira afirmou que os carroceiros em geral não podem ser prejudicados em função da má conduta de alguns profissionais. 


Segundo ele, um carroceiro denunciado por maus-tratos foi, inclusive, retirado da associação. Oliveira sugeriu a colocação de chips nos cavalos, para permitir o acompanhamento da situação do animal.

Publicidade


Vice-presidente da associação, Vanderlei Neri Santana destacou a situação de vulnerabilidade das pessoas que trabalham com a atividade e a falta de outra fonte de renda. “A realidade é triste. Ser carroceiro é triste, é uma humilhação. Você sabe o que é bater à porta das casas oferecendo frete a R$ 50?”, perguntou. 


Carroceiros disseram que o uso de cavalos não configura, por si só, maus-tratos e defenderam ainda a implantação de mais ecopontos na cidade, para diminuir as distâncias percorridas pelos cavalos.


CONTINUE LENDO NA FOLHA DE LONDRINA


Imagem
Fim da tração animal é pauta de audiência pública na CML
Na noite desta segunda-feira (19), em audiência pública, a CML (Câmara Municipal de Londrina) ouviu a população sobre o PL (Projeto de Lei) nº 90/2023, do vereador Deivid Wisley (Republicanos), que proíbe o uso de veículos de tração animal no Município de
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade