Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Principal causa

Lançamento de lixo prejudica rede de esgoto em Londrina

Agência Estadual de Notícias
27 jun 2012 às 15:02
- Divulgação / Sanepar
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O lançamento de lixo de forma inadequada é responsável por 60% das obstruções da rede de esgoto e mostra que população ainda não dá o destino correto para os resíduos sólidos gerados em suas casas. O dado foi apresentado por técnicos da Sanepar, nesta semana, durante reunião do Conselho Municipal do Meio Ambiente de Londrina. Os técnicos explicaram o processo de gestão da rede coletora de esgoto na cidade, que é vistoriada diariamente em 100 pontos estratégicos da cidade.

O gerente geral da região Nordeste, Carlos Roberto Pinto, avalia que a participação da Sanepar na reunião foi proveitosa. "Vamos fortalecer a parceria tanto com o conselho quanto com o município, melhorar a troca de informações técnicas e intensificar ações conjuntas", disse.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A apresentação foi feita pela gerente regional de Londrina-Cambé, Mara Lúcia Pereira Kalinowski, e pelos engenheiros Sérgio Sambatti e Luiz Henrique Fujisao, este coordenador de Manutenção de Redes. Eles informaram que o monitoramento da rede da Sanepar é constante. Entre os pontos, vistoriados todos os dias estão fundos de vale, córregos e lagos de Londrina. Mensalmente são lavados 62 mil metros de rede e desobstruídos cerca de 700 pontos de rede e ramais. A cada dois dias é identificada uma ocorrência.

Leia mais:

Imagem de destaque
Superdotado

Menino gênio é recebido pela família em Londrina após ganhar medalha em Nova Iorque

Imagem de destaque
Bebida e um prato por R$22

Londrina recebe o festival gastronômico Brasil Coffee Week

Imagem de destaque
Zona Sul

Londrina: Motociclista foi morto no Alphaville por condenar criminalidade, diz polícia

Imagem de destaque
Campeonato Brasileiro

Londrina EC vai em busca da reabilitação no estádio do Café


As causas dos extravasamentos de redes, mesmo com o trabalho intenso e preventivo, estão concentradas no lançamento indevido de pequenos objetos, como papéis, panos e plásticos. A deposição deste material, que deveria ir para o aterro ou ser reciclado, responde por 60% dos casos de obstrução da rede e extravasamentos. Outros 20% têm como causa o acúmulo de gordura. "É preciso um trabalho integrado de vários órgãos. Ainda temos que avançar muito na educação da população sobre o uso da rede de esgoto e sobre o destino correto para os resíduos sólidos. A caixa de gordura, quanto existente, não recebe manutenção", afirma Mara Lúcia.

Publicidade


LIGAÇÕES IRREGULARES – Outras causas de danos à rede coletora de esgoto são ligações irregulares da água de chuva, que causam 15% das ocorrências. Há também o arraste de areia e terra, raízes das árvores e atos de vandalismo. "É comum encontrarmos pedras enormes na nossa rede, lançadas nos nossos postos de visita por vândalos. Mesmo com a remoção durante as manutenções, chegam às estações de tratamento aproximadamente 1.500 metros cúbicos de resíduos por mês", indica. "A falta de um cadastro confiável das galerias pluviais também prejudica a gestão da rede de esgoto", disse a gerente.


A Sanepar vistoria anualmente, em média, 30 mil imóveis de Londrina dentro do programa de despoluição ambiental. "Por ocasião da visita, é feita orientação técnica sobre a forma correta de se interligar na rede coletora, o que é o esgoto e a importância da caixa de gordura, bem como, de se separar a água de chuva, entre outros pontos de esclarecimento", ressalta Mara Lúcia. A partir deste trabalho, a Sanepar repassou, recentemente, para a Sema Municipal, 1.700 endereços de imóveis que não têm caixa de gordura. O compromisso da secretaria é notificar os proprietários dos imóveis.

Publicidade


No início deste ano, a Sanepar passou a fazer ação integrada com o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e a Sema Municipal de Londrina. O trabalho consiste na cessão de técnicos, veículos e equipamentos para ações preventivas e corretivas com foco em vazamentos e despejos irregulares. "Temos que intensificar as vistorias em estabelecimentos como postos de combustíveis, lava-rápidos, oficinas mecânicas e lavanderias, por exemplo, que lançam esgoto sem a anuência da Sanepar ou mesmo fora do que foi determinado no documento", comenta Mara Lúcia. "Caminhões autofossas também são um problema e denúncias devem ser feitas para a Sanepar no telefone 115. Os caminhões só estão autorizados a descarregar o esgoto nas estações, após cadastro e identificação das características do resíduo", afirma.


INVESTIMENTOS – A Sanepar está investindo em Londrina R$ 57 milhões em obras para ampliação do sistema de esgotamento sanitário. São obras importantes, feitas desde 2010, como a Estação de Tratamento de Esgoto Esperança, na Região Sul da cidade, que deve entrar em operação neste mês.

Apenas em Londrina, a Sanepar opera cerca de 1,5 milhão de metros de rede de esgoto. O serviço de coleta de esgoto em Londrina chega a 86% da população urbana, ou seja, aproximadamente 440 mil habitantes, e 100% de tudo o que é coletado é tratado. Tal situação coloca a cidade entre as 10 melhores em qualidade de saneamento no Brasil.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade