Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Novos sentimentos

Londrina: criança de nove anos deixa hospital após receber coração

Pedro Marconi - Grupo Folha de Londrina
06 nov 2023 às 18:30
- Roberto Custódio
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O coração é novo, assim como os sentimentos. O que antes era apreensão, hoje é gratidão e alegria. Após quatro meses de internamento, incluindo a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), Augusto Borges Teixeira, de nove anos, enfim foi para casa. 


Morador da zona leste de Londrina, o garoto ganhou alta nesta segunda-feira (6) do Hospital Infantil depois de receber um transplante de coração. “(O coração) está batendo bem, bastante, um coração normal”, define.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A criança nasceu com miocardiopatia dilatada, doença diagnosticada ainda na gravidez. “É uma condição na qual a função do coração fica bastante diminuída”, explica o cardiologista Luiz Takeshi Nagahashi. Aos três meses de vida Augusto passou por um procedimento cirúrgico. Foi neste ano que o estado de saúde voltou a preocupar. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Conclusão em 120 dias

Região do Lago Igapó em Londrina ganha novas ciclovias

Imagem de destaque
Excelente campanha em 2023

Londrina Futsal estreia em casa neste sábado contra o Pato Branco na Liga Feminina 2024

Imagem de destaque
Foi encaminhado para a UPA

Engavetamento com uma moto e quatro carros deixa um homem ferido na PR-445, em Londrina

Imagem de destaque
Saiba como se inscrever!

Casa de Cultura está em busca de novas vozes para o Coro da UEL


“Ele passou a ter uma piora na função do coração. Inicialmente foi proposto tratamento com remédios, mas devido à gravidade, foi indicado o transplante”, explica.

Publicidade


Foram 70 dias aguardando o sonhando transplante, que aconteceu em 15 de setembro. “Ele estava totalmente dependente de drogas, tanto é que foi priorizado na fila de transplante. O primeiro órgão compatível na fila foi dele. Era uma condição em que (sem o transplante) poderia acontecer o pior. 


O intervalo entre retirar o coração e transplantar no Augusto foi de três horas”, detalha o especialista, responsável pelo procedimento. O doador foi do Paraná.

Publicidade


Para o sonoplasta Cristiano Teixeira, pai do menino, o período entre a cirurgia ser indicada e o coração compatível aparecer foi desafiador. “Foi algo muito pesado. Era um assunto que não tínhamos comentado em família. Foi um processo longo de tratamento até surgir um doador. Foi uma montanha-russa de emoções, mas hoje nosso choro é de alegria”, emociona-se. 


“Ele chegou no hospital com 18% de funcionamento no coração, ou seja, quase parando. Foi um baque”, relembra.

Publicidade


PAZ E CONFIANÇA


Já a notícia da chegada do órgão, que foi trazido de helicóptero, numa verdadeira operação contra o tempo, renovou as esperanças da família. 


“No dia eu sai correndo para gravar e agradecia muito a Deus. Senti uma paz tão grande. O pessoal do hospital a todo momento vinha falar que estava tudo bem no centro cirúrgico. Sabia que ia dar certo, porque Deus não faz a obra pela metade”, destaca a funcionária pública Seila Elizabeth Borges, mãe de Augusto.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Criança de nove anos deixa hospital em Londrina após receber coração
Augusto Borges Teixeira tinha miocardiopatia dilatada e ficou quatro meses internado: “Deus sustenta todo mundo”
Imagem
Paraná tem 30 pessoas à espera de um coração
Órgão com maior demanda de doações no Estado é o rim, seguido de córneas e fígado
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade