Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Agressões contra mulheres

Londrina: Patrulha Maria da Penha encaminhou 28% dos casos à polícia

Redação Bonde com N.Com
24 nov 2015 às 16:30
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Em ação desde o começo de julho deste ano, a Patrulha Maria da Penha de Londrina atendeu 81 mulheres até o dia 31 de outubro. Deste total, 46 dos casos foram resolvidos apenas com a orientação dos guardas municipais e 13 pelo telefone. Outros nove terminaram com o encaminhamento do agressor a uma das delegacias da cidade, enquanto em outras seis ocorrências as mulheres agredidas fizeram boletim de ocorrência e sete mulheres sem medida protetiva expedida pela Justiça - foco do programa - foram atendidas e encaminhadas à Polícia Militar (PM). Em quatro meses de operação, foram 22 casos levados à polícia, 28% do total. Os dados foram divulgados pela prefeitura nesta terça-feira (24).

O objetivo da patrulha é atender as mulheres vítimas de violência doméstica que tenham medidas protetivas expedidas pela Justiça. Atualmente, há mais de 2.300 moradoras de Londrina nesta situação. O acionamento da Guarda Municipal pode ser feito pelo telefone 153.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A zona sul registrou maior número de atendimentos: 28. A zona norte da cidade é a segunda em número de chamados (17), seguida pelo centro (14), pela zona leste (8), pelos distritos (9) e pela zona oeste de Londrina (6). A maior parte dos telefonemas foi feita no período diurno, das 6h às 18h, com 46 ligações. No turno da noite, das 18h às 6h, os guardas atenderam 36 vítimas.

Leia mais:

Imagem de destaque
Londrina

Conselho Universitário da UEL adere à Prova Paraná Mais com 20% das vagas do vestibular

Imagem de destaque
Regularização fiscal

Em Londrina, negociações do Profis 2024 ultrapassam os R$ 35 milhões

Imagem de destaque
Manutenção na rede

Desligamento de energia afeta abastecimento de água em bairros de Londrina e Cambé nesta quarta-feira

Imagem de destaque
Das 8h às 18h

Obras de ampliação de rede atingem abastecimento de água nesta quinta-feira no distrito de Maravilha em Londrina


Segundo o inspetor do GCOM, Éder José Pimenta, as mulheres ainda têm resistência em procurar ajuda, mas o crescimento no número de atendimentos tem mostrado que a patrulha está acessível. "O simples fato de passarmos orientações por telefone já é suficiente para muitas vítimas. Se nós tivermos ajudado a socorrer uma única vítima, nosso trabalho já valeu a pena. Acredito que hoje devemos estar perto dos 100 atendimentos, pois o mês de novembro ainda está em aberto", explica Pimenta.

Publicidade


A patrulha


O atendimento às vítimas é feito por guardas municipais treinados. Ao todo, a Secretaria Municipal de Defesa Social capacitou 20 agentes. A mulher agredida, seja física ou psicologicamente, e que tenha a medida protetiva, deve denunciar a violência através da Central 153.

Publicidade


Os guardas atendem o chamado e deslocam uma viatura até o local da agressão. Caso o agressor ainda esteja no ambiente, ele é encaminhado à Delegacia de Polícia e a vítima é direcionada para a lavratura do boletim de ocorrência.


A Central 153 funciona 24 horas por dia, assim como o 190 da Polícia Militar. Caso a vítima esteja impossibilitada de telefonar, um amigo, vizinho ou qualquer outra testemunha pode denunciar o caso de agressão. Basta informar o endereço da vítima e, se possível, o nome. Desta forma, os guardas municipais podem identificar facilmente os envolvidos, segundo os dados disponíveis no cadastro de agressores e vítimas da Guarda Municipal.


Londrina é a segunda cidade do Paraná a ter esse instrumento de segurança específico para a proteção das mulheres. A primeira experiência foi em Curitiba. Na região sul do país, Porto Alegre também conta com a Patrulha Maria da Penha. As duas cidades citadas serviram de exemplo para a aplicação em Londrina.

A Patrulha é uma ação da Prefeitura Municipal de Londrina, através da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres e Secretaria de Defesa Social, em conjunto com a Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência, Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Vara de Crimes contra Crianças, Adolescentes e Idosos e a 29ª Promotoria da Comarca de Londrina.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade