Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Acordo evita que torcedores condenados por racismo contra de Vinicius Jr. sejam presos

João Gabriel de Lima - Folhapress
12 jun 2024 às 18:15
- Reprodução/Facebook
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Condenados pela Justiça espanhola, os três torcedores do Valencia que dispararam insultos racistas contra o jogador brasileiro Vinicius Junior não deverão ir efetivamente para a cadeia. Por serem réus primários e pelo fato de a pena ser inferior a dois anos, podem se beneficiar por um dispositivo da lei espanhola que prevê o cumprimento da pena em liberdade.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Vice dele

Biden endossa Kamala Harris como candidata democrata à Presidência; saiba quem é

Imagem de destaque
Desistiu!

Biden desiste de ser candidato e abre caminho para novo nome democrata

Imagem de destaque

Princesa de Dubai se divorcia usando regra que ficou famosa no Brasil com 'O Clone'

Imagem de destaque
Seis do Real e 2 do Barça

Vini Jr, Mbappé e Lewandowski, veja o ranking dos mais bem pagos da La Liga

O desfecho poderia ser diferente caso valesse a vontade da entidade que organiza os campeonatos de futebol na Espanha -a La Liga. Foi ela quem primeiro levou o caso de Vinicius no jogo do Real Madrid contra o Valencia, disputado no dia 21 de maio do ano passado, à Justiça espanhola.

Publicidade


A representação inicial previa que os três agressores fossem enquadrados no artigo 510 do Código Penal espanhol, relativo a crimes de ódio. Se condenados em juízo, os réus poderiam pegar entre um a quatro anos de prisão. "Se a sentença fosse superior a dois anos, os réus não teriam o direito de cumprir a pena em liberdade", diz o advogado Juan José Ríos Zaldívar, responsável pela área processual da auditoria Grant Thornton e palestrante em cursos de direito aplicado ao futebol.


Os advogados dos réus propuseram um acordo, para evitar que o caso fosse a julgamento, o que implicaria num risco de prisão. A proposta era que os agressores fossem enquadrados em outro artigo do Código Penal, o 173.1, mais brando, que prevê delitos contra a integridade moral. Neste caso, a pena prevista varia de 6 meses a 2 anos.

Publicidade


O acordo foi aceito pelas partes envolvidas -La Liga, Vinicius Júnior, Real Federação Espanhola de Futebol e Real Madrid. Na reunião de conciliação, La Liga argumentou que a condenação por delito de ódio seria mais justa, mas foi voto vencido. Incluiu-se na sentença um agravante por motivações racistas, de acordo com outro artigo do Código Penal espanhol, o 22.4.


O fato de os réus reconhecerem o crime, além de apresentarem um pedido de desculpas, foi considerado atenuante. A pena, que seria de um ano, foi reduzida para oito meses, com a possibilidade de ser cumprida em liberdade.


O acordo foi homologado na última segunda-feira. A pena inclui o banimento de estádios de futebol por dois anos. Daqui para frente os agressores deixam de ser considerados réus primários.


De 2020 para cá, La Liga levou à Justiça 35 casos de racismo ou homofobia nos estádios, 20 deles envolvendo Vinicius Júnior. A condenação de segunda-feira foi a primeira do lote, e é considerada histórica por ser a primeira vez que um caso de racismo é punido pela Justiça na Espanha.


Imagem
Futebol será dividido entre antes e depois da condenação por ataques racistas contra Vini Jr., dizem especialistas
Uma vitória fora dos campos merece destaque entre os feitos colecionados neste ano pelo jogador Vinicius Junior. Pela primeira vez na história do futebol espanhol infâmias racistas receberam condenação na Justiça.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade