22/10/20
PUBLICIDADE
Novo coronavírus

Covid-19: Facebook divulga anúncios da OMS no combate à desinformação

O Facebook vai fornecer aos seus utilizadores anúncios gratuitos da Organização Mundial de Saúde (OMS), para combater a desinformação existente em torno do novo coronavírus. O objetivo é garantir que as pessoas sejam corretamente informadas dos riscos que correm e do modo como devem reagir à epidemia.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


"Nós estamos dando à OMS a oportunidade de divulgar seus anúncios de forma gratuita, tal como ela necessita, para dar resposta ao coronavírus, juntamente com outros apoios do gênero”, garantiu o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, na terça-feira (3).

Os utilizadores que fizerem pesquisa sobre o vírus no Facebook vão ser direcionados, através de um pop-up, para a OMS ou para a autoridade de saúde local. A ligação ocorre de forma automática e fornece aos leitores as informações mais recentes, explica ainda o fundador da plataforma digital.

Caso os utilizadores vivam num país onde foram confirmados casos de contágio, a plataforma passa a enviar para os seus feeds notícias com atualizações sobre os infectados.

A empresa pretende também remover todas as alegações e teorias falsas sobre o tema dos seus conteúdos. Para tal, o Facebook está sendo ajudado por especialistas de saúde e deverá também dar apoio a outras organizações mundiais.

No mês passado, a empresa proibiu anúncios de produtos alusivos à cura ou prevenção do vírus.

Outras plataformas digitais estão também tomando medidas em relação à desinformação sobre a epidemia. Pesquisas realizadas no Pinterest por "coronavírus” são encaminhadas para uma página com informação fidedigna do vírus. Na semana passada, a OMS criou também uma conta na aplicação TikTok no combate à desinformação.

Coronavírus e a desinformação

Do mesmo modo que a OMS tenta conter o alastramento da epidemia, procura também impedir que a desinformação sobre o vírus aconteça. O movimento em torno das informações falsas já é conhecido como "infodemic”.

O fluxo de informações pouco rigorosas ou falsas que se dispersam a alta velocidade pelas redes sociais está sendo encarado como um problema sério para a saúde pública.

"Sabemos que cada surto será acompanhado por uma espécie de tsunami de informação, mas no meio desta informação há sempre desinformação, rumores”, salientou a responsável pelo departamento de preparação para o risco de infeções da OMS, Sylvie Briand, à The Lancet.

Já não basta divulgar a informação de forma correta, é preciso muito mais ter a certeza de que as pessoas estão informadas e que sabem qual a forma certa de agir, acrescentou a responsável do departamento de infecções.

Esta onda de desinformação atingiu o auge a partir do momento em que foi declarada emergência de saúde pública à nível internacional.
Agência Brasil
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Compra de Coronavac

Governadores se revoltam com decisão de Bolsonaro sobre a vacina chinesa

21 OUT 2020 às 15h31
Série do Grupo FOLHA

Conheça as propostas do candidato Boca Aberta, de Londrina

21 OUT 2020 às 14h43
15 mil maços

Veículo é apreendido com cigarros contrabandeados em Cornélio Procópio

21 OUT 2020 às 14h42
São Jerônimo da Serra

Rapaz de 18 anos atropela e mata homem à beira da PR-090

21 OUT 2020 às 11h13
Feriado de finados

Obras nos cemitérios devem se encerrar na próxima terça

21 OUT 2020 às 11h02
Irregularidades

Justiça eleitoral aceita pedido de impugnação de candidatura de Sergio Onofre em Arapongas

21 OUT 2020 às 10h41
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados