Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Tráfico

150 menores estão em cadeias para adultos no PR

Agência Brasil
08 abr 2007 às 09:52
Nos últimos 4 anos, a capacidade física de atendimento no meio de internação aumentou 50% - Arquivo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Cerca de 150 jovens com menos de 18 anos estão em cadeias para adultos no Paraná. A única solução para resolver o problema, segundo a presidente do Instituto de Ação Social do Paraná (IASP), Thelma Oliveira, é construir mais unidades socioeducativas para abrigar esses adolescentes.

O estado tem atualmente 700 vagas para cumprimento de sentença em regime de privação de liberdade do adolescente em conflito com a lei. São 17 unidades e outros cinco novos centros socioeducativos. Quatro casas de semiliberdade deverão ser entregues até o final deste ano, aumentando para 1.155 o número de vagas no estado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"Entretanto, o fato de estarem em delegacias não quer dizer que ocupem celas junto com adultos, normalmente eles ficam em celas separadas", disse Thelma Oliveira. Segundo ela, os jovens infratores do Paraná estão em delegacias de periferias de grandes centros urbanos, geralmente municípios localizados em rotas de tráfico de drogas, como Londrina, Maringá, Apucarana, São Miguel do Oeste.

Leia mais:

Imagem de destaque
Feriado cristão

Corpus Christi: confira a programação das celebrações em Londrina e região

Imagem de destaque
Reforma

Câmara de Vereadores de Ibiporã antecipa recesso legislativo

Imagem de destaque
Para estudantes do Paraná

Empreendedorismo tecnológico: 2º Desafio Liga Jovem está com inscrições abertas

Imagem de destaque
Boletim semanal

Saúde registra morte de bebê de nove meses por dengue no Paraná


Ela explicou que cada caso é analisado separadamente. Os adolescentes que estão em delegacias do Paraná são aqueles cujos crimes não são tão graves ou não estão em situações onde podem sofrer retaliações. "Nesses casos, sempre damos um jeito de transferi-los."

Nos últimos quatro anos, a capacidade física de atendimento dos adolescentes, no meio de internação, teria aumentado 50%. "A estruturação física e a nova metodologia pedagógica são atualmente, dois eixos importantes e reestruturantes. Os novos centros têm projeto arquitetônico pensado a partir de planejamento pedagógico, não são somente abrigos de jovens, mas unidades feitas para realmente reabilitá-los."


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade