Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Projeto "Parceiro da Escola"

Governo do Paraná quer terceirizar serviços em 200 escolas públicas

José Marcos Lopes - Especial para a Folha
23 mai 2024 às 09:15
- Jonathan Campos/AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O governo do Paraná vai enviar na próxima semana para a Alep (Assembleia Legislativa) um projeto que prevê o repasse da administração de 200 escolas para a iniciativa privada. 


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

A ideia com o projeto Parceiro da Escola é repassar os serviços administrativos e de manutenção, como já ocorre em dois estabelecimentos desde 2022, e liberar os diretores para atuarem na área pedagógica. O anúncio gerou uma reação da oposição ao governador Ratinho Júnior (PSD) na sessão da última terça-feira na Alep.

Leia mais:

Imagem de destaque
Confira os dados!

Ações integradas reduzem número de crimes em propriedades rurais do Paraná

Imagem de destaque
Fique atento!

Cambé emite alerta sobre golpe usando o nome da Vigilância Sanitária

Imagem de destaque
Sem danos

Abalo sísmico que atingiu Cambé tem magnitude 1,6 na Escala Richter

Imagem de destaque
2.176 vagas em Londrina

Agências do Trabalhador do Paraná começam a semana com 20,7 mil vagas


Publicidade

O processo começou em 2022 quando o governo abriu um edital para terceirizar os serviços de 27 escolas com consulta à comunidade escolar. Somente duas aceitaram: o Colégio Estadual Aníbal Khury Neto e o Colégio Estadual Anita Canet, ambos em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. 


O governo argumentou que a medida ajudaria a melhorar os índices dos alunos no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), já que os diretores poderiam concentrar suas atuações na área educacional.

Publicidade


O governo reuniu deputados da base de apoio nesta semana para discutir o projeto. A proposta apresentada aos parlamentares diz que as empresas ficarão responsáveis, inclusive, pela “seleção e contratação de professores e profissionais temporários”. 


Os professores contratados via PSS (Processo Seletivo Simplificado) seriam convertidos para o regime CLT e os efetivos seriam “consultados se querem permanecer na escola”. As empresas ficarão responsáveis por serviços de segurança, limpeza, internet e fornecimento de merenda.

Publicidade


O líder do governo na Alep, Hussein Bakri (PSD), confirmou que o projeto será enviado na próxima semana ao Legislativo. “Não dá 10% dos colégios, temos mais de 2.200. São escolas com baixas notas no Ideb, em áreas de vulnerabilidade social, e a decisão será por voto da comunidade”, disse o deputado. 


“Do que os diretores de escolas com Ideb baixo reclamam? Que precisam fazer prestação de contas, arrumar a fechadura. Ele vão ter a condição de cuidar só da questão pedagógica.”

Publicidade


ORÇAMENTO


A proposta foi mal recebida pela oposição. Para o deputado Professor Lemos (PT), se o projeto for adotado em todo o Paraná, vai consumir todo o orçamento da área da Educação. 


“O governo está propondo repassar R$ 800 por aluno para as empresas. O Paraná tem hoje cerca de 1,2 milhão de estudantes, isso representaria R$ 12,2 bilhões por ano. O orçamento da Secretaria da Educação é de R$ 11 bilhões. O governo quer entregar dinheiro público para as empresas. E essas empresas visam o lucro.”


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Governo quer terceirizar serviços em 200 escolas públicas
Projeto no Paraná propõe terceirização de serviços em 200 escolas para focar diretores na pedagogia, gerando debate intenso na Alep.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade