Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Farmácias e drogarias

MP quer o fim das caixas de som nas calçadas

Redação Bonde com MP
29 out 2009 às 23:31
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Proteção ao Meio Ambiente de Curitiba, reuniu-se, na última terça-feira (27), com o Sindicato do Comércio Varejista dos Produtos Farmacêuticos do Estado do Paraná para tratar da poluição sonora.

Muitas farmácias e drogarias da Capital utilizam caixas de som à porta para fazer propaganda de seus produtos e ofertas. No entanto, a lei municipal 10625/002 proíbe "a utilização de equipamentos sonoros, fixos ou móveis, como meio de propaganda ou publicidade, nos logradouros públicos". A mesma lei estabelece a chamada "zona de silêncio", ou seja, veda publicidade ou propaganda sonora num raio de 200 metros de escolas, hospitais, postos de saúde, bibliotecas e hotéis.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


A promotoria de Justiça pediu a colaboração do Sindicato para exigir o cumprimento da lei, a fim de resolver administrativamente a questão da poluição sonora produzida por farmácias em Curitiba. O Sindicato comprometeu-se a divulgar a lei entre os empresários que revendem produtos farmacêuticos.

Leia mais:

Imagem de destaque
Alerta

Paraná registra 20 ocorrências de balões que caíram sobre a rede elétrica em 2024

Imagem de destaque
Padrasto

Júri de ex-marido de mulher acusada de matar a filha no Paraná é adiado

Imagem de destaque
Queda de temperaturas

Frente fria chega com menor intensidade ao Norte do Paraná

Imagem de destaque
Hospital de campanha

Veterinários do Paraná atendem mais de mil animais resgatados no Rio Grande do Sul

O Ministério Público fará reuniões com representantes de outros segmentos varejistas para coibir a poluição sonora em todos os setores do comércio. Em princípio serão feitas conscientizações e esclarecimentos com respeito às obrigações dos comerciantes. No entanto, caso o desrespeito persista, o MP-PR adotará medidas judiciais para garantir o cumprimento da lei.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade