Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mulher está presa em Londrina

MPPR afirma que processo de mulher presa suspeita de matar a própria filha prosseguirá; ex-marido será julgado nesta quarta

Redação Bonde
13 mai 2024 às 18:14
- MPPR
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O processo criminal contra Tânia Djanira Melo Becker de Lorena, 59 anos, denunciada pelo MPPR (Ministério Público do Paraná) em dezembro de 2007 pela morte da própria filha, terá prosseguimento. Ela é acusada de assassinar a própria filha, Andréa Rosa de Lorena, para ficar com a guarda do neto. 


A mulher foi presa no último sábado (11) e estava foragida por quase 17 anos. A mulher estava usando o nome "Lourdes", de acordo com o 10° Batalhão da PM, em Marilândia do Sul, cidade onde a ré foi presa. Ela foi localizada dois dias após o programa Linha Direta apresentar o caso, que chocou o país em 2007. O programa recontou a história que ocorreu em Quatro Barras. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Além da mulher, o seu então marido (padrasto da vítima), Everson Luiz Cilian, também estava foragido. Ele seria o possível coautor do crime, segundo o MPPR. O suspeito foi preso em 2023, em Apucarana, e está preso até hoje. O ex-marido da ré vai a julgamento pelo Tribunal do Júri de Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, nesta quarta-feira (15). 

Leia mais:

Imagem de destaque
Nova estação

Inverno começa ensolarado, com altas temperaturas e sem chuvas no Norte do Paraná

Imagem de destaque
Confira os dados!

Ações integradas reduzem número de crimes em propriedades rurais do Paraná

Imagem de destaque
Fique atento!

Cambé emite alerta sobre golpe usando o nome da Vigilância Sanitária

Imagem de destaque
Sem danos

Abalo sísmico que atingiu Cambé tem magnitude 1,6 na Escala Richter


Conforme determina o Código de Processo Penal (artigo 366), o processo ficou suspenso, pois os denunciados estavam foragidos. Desde aquela época, o MPPR requereu a prisão preventiva de ambos. 

Publicidade


As ações penais contra os dois foram desmembradas, de modo que cada um dos réus responde a uma ação específica – o processo referente ao denunciado prosseguiu, e ele será julgado em Campina Grande do Sul, comarca que então abrangia também o município de Quatro Barras, local em que ocorreu o crime.


- Reprodução/PMPR


JÚRI POPULAR 

Publicidade


A mulher ficou foragida por 17 anos e foi presa no sábado em Marilândia do Sul. Ela foi encaminhada à Cadeia Pública Feminina de Londrina, onde permanece presa à disposição do Judiciário. O Ministério Público requisitará o andamento da instrução processual, para posterior manifestação de pronúncia do Ministério Público, a fim de que a acusada também seja levada a Júri Popular. O MPPR pedirá o aproveitamento das provas já produzidas na ação penal contra o ex-marido da ré.


Publicidade

O QUE DIZ A DEFESA DA RÉ


A defesa de Tânia Djanira Melo Becker de Lorena afirma que a ré é inocente. Marcos Pavinato, advogado de defesa de Tânia, enviou nota à imprensa na tarde desta segunda-feira (13). "Tânia é inocente, o tempo e o processo irão revelar a verdade dos fatos, trabalharemos norteados por essa máxima. Nosso foco é ofertar uma defesa técnica e justa para o caso que possui muitos detalhes e problemas inexplorados. Acreditamos que a justiça será feita independente da tamanha comoção. Há muito o que mostrar dentro da situação."


O CASO

Publicidade


O caso ocorreu em fevereiro de 2007, em Quatro Barras. Na ocasião, a vítima (Andréa) morava com a mãe (Tânia) e seus dois filhos: Lucas, de 5 anos, e uma bebê de 9 meses. Andréa sofreu um acidente de moto e foi morar na casa do pai. Tânia decidiu manter a guarda do neto Lucas. Neste momento, começou um conflito judicial com a própria filha. Andréa e as crianças desapareceram após um almoço. 


Tânia e seu então companheiro, Everson Luiz Cilian, visitaram Andréa para um almoço em família, junto com Juliano Saldanha, que era o companheiro de Andréa. Em seguida, Juliano saiu para trabalhar. Quando voltou para casa só encontrou Tânia, Everson e as crianças. 


Juliano perguntou onde estava Andréa, mas Tânia disse que a filha saiu com a sua irmã. No entanto, Andréa já estava morta. Juliano acionou a polícia. Dois dias depois, ele descobriu o corpo de Andréa escondido sob a cama do casal, estrangulada com um fio elétrico.


(Com informações do MPPR e Folhapress)

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade