Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Ficou 17 anos foragida

Mulher acusada de matar a própria filha pela guarda do neto é presa em Marilândia do Sul

UOL/Folhapress
12 mai 2024 às 16:22
Andréa Rosa de Lorena - Reprodução/TV Globo
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Tânia Djanira Melo Becker de Lorena, que estava foragida havia 17 anos, foi presa neste sábado (11) pela PM (Polícia Militar) do Paraná, em Marilândia do Sul. Ela é acusada de assassinar a própria filha, Andréa Rosa de Lorena, para ficar com a guarda do neto.


Tânia foi presa por agentes do 10° Batalhão da PM em uma residência em Marilândia do Sul, no norte do Paraná. Ela foi localizada graças a uma denúncia anônima e não ofereceu resistência à prisão.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Foragida, usava o nome falso de "Lourdes", segundo informou a PM. Após a prisão, ela foi encaminhada ao Sistema Prisional de Apucarana, também no norte do estado.

Leia mais:

Imagem de destaque
Vítima fugiu com as filhas

Com tornozeleira eletrônica, marido ameaça esposa e está foragido em Apucarana

Imagem de destaque
Após ser expulso

Homem se irrita, atira em direção à conveniência e deixa dois feridos em Apucarana

Imagem de destaque
Sertaneja e Rolândia

Polícia Rodoviária Estadual apreende quase meia tonelada de maconha no Norte do Paraná

Imagem de destaque
Veículo será periciado

Viatura da Polícia Militar é incendiada em Rolândia e suspeito está foragido


Ela foi localizada dois dias após o programa Linha Direta apresentar o caso, que chocou o país em 2007. O programa recontou a história que ocorreu no tranquilo município de Quatro Barras, no Paraná, onde a vida de Andréa Rosa de Lorena, de 23 anos, tomou um rumo trágico.

Publicidade


ENTENDA O CASO

Publicidade


Andréa morava com a mãe, Tânia, de 42 anos, e seus dois filhos: Lucas, de 5 anos, e uma bebê de 9 meses. A harmonia entre as duas foi abalada quando Andréa sofreu um acidente de moto, levando-a a se mudar para a casa do pai. Tânia decidiu manter a guarda de Lucas, resultando em um conflito judicial com a própria filha.


Andréa e as crianças desapareceram após um almoço. Tânia e seu companheiro, Everson Luiz Cilian, visitaram Andréa para um almoço em família, juntamente com Juliano Saldanha, companheiro de Andréa. Após Juliano sair mais cedo para trabalhar, ele retornou ao lar e encontrou apenas Tânia e Everson com as crianças.

Publicidade


Tânia informou que Andréa havia saído com sua irmã, mas a verdade é que a filha já estava morta. Após uma busca frustrada pelas crianças, Juliano acionou a polícia. Dois dias depois, ele descobriu o corpo de Andréa escondido sob a cama do casal, estrangulada com um fio elétrico.


Tânia foi denunciada pelo MP-PR (Ministério Público do Paraná) em dezembro de 2007 por homicídio triplamente qualificado. O UOL tentou obter mais informações junto ao MP-PR, mas até o momento o órgão não havia respondido aos questionamentos. A defesa de Tânia não foi localizada.


Ouvida pelo UOL, a advogada de Juliano, Tais Lorena de Sá, afirmou que a família agora quer punição máxima da Justiça. "Nesse momento, após tanto tempo do crime, a família encontra-se aliviada, esperando que Tânia seja levada a julgamento com a devida condenação e a aplicação máxima da pena", disse.



Publicidade

Últimas notícias

Publicidade