Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
E ainda há subnotificação

Paraná registra 201 casos de prática ilegal de medicina em quatro anos

Jéssica Sabbadini - Especial para a Folha
20 mai 2024 às 09:00
- Reprodução/Canva
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Nos últimos quatro anos, o Paraná registrou 201 casos de prática ilegal no exercício da medicina, de acordo com o CFM (Conselho Federal de Medicina). E o número, alerta a entidade, pode estar ainda muito abaixo do que realmente ocorre.


De acordo com levantamento divulgado recentemente, o estado registrou essa quantidade de casos associados à prática ilegal da medicina apenas entre 2020 e 2023. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Entre os casos acompanhados pela Polícia Civil nos últimos 10 anos, o Paraná foi o estado que mais notificou casos em 2022, com 38, à frente de outros mais populosos, como São Paulo e Minas Gerais.

Leia mais:

Imagem de destaque
Rota aberta entre julho e setembro

Aeroporto Internacional Afonso Pena recebe primeiro voo direto de Santiago, no Chile

Imagem de destaque
Doações até 1º de julho

No Paraná, rede estadual arrecada material escolar para o Rio Grande do Sul

Imagem de destaque
Resgate de animais silvestres

IAT devolve à natureza tamanduá-mirim encontrado por moradores no Paraná

Imagem de destaque
Mudas trazidas do Japão

Florada das cerejeiras vira atração nas ruas de Apucarana


Na última década, o Brasil registrou 9.566 crimes enquadrados no Artigo 282 do Código Penal, que estabelece como crime a prática da profissão de médico, dentista e farmacêutico sem autorização legal. O número aponta que são registrados dois casos do tipo por dia, sendo que 6.189 foram judicializados e 3.377 geraram um BO (Boletim de Ocorrência).

Publicidade


Para Alcindo Cerci, conselheiro federal e diretor clínico do HU (Hospital Universitário) de Londrina, a prática ilegal da medicina se mostra como uma "epidemia silenciosa", já que que a vítima de um falso profissional só fica ciente da situação após um longo tempo. 


Segundo ele, a descoberta vem, geralmente, ao procurar um profissional capacitado para tratar uma outra condição, muitas vezes em decorrência do problema inicial que não foi tratado corretamente.

Publicidade


“Exercer ilegalmente a medicina não é apenas quando o leigo faz uma consulta, mas também um profissional de saúde que acaba fazendo um procedimento que não é da sua competência”, explica.


Por não ter conhecimento na área médica, pacientes são iludidos por meio de anúncios e propagandas nas redes sociais. Dessa forma, acabam se submetendo a procedimentos que não precisam ser feitos ou que são realizados de maneira irregular.


“O nosso foco é a segurança do paciente. A gente não quer impedir ninguém de fazer o que pode ser feito, mas a gente precisa dar segurança ao paciente. O que é um ato médico deve ser realizado por um médico”, afirma, complementando que cada profissional deve ficar responsável pelos procedimentos compatíveis ao campo de trabalho em que é especialista.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Em quatro anos, Paraná registra 201 casos de prática ilegal de medicina
Paraná lidera casos de prática ilegal da medicina, com 201 registros entre 2020 e 2023, alertando para uma 'epidemia silenciosa' de falsos profissionais.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade