Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Supostas irregularidades

Deputado protocola impeachment de Ratinho Junior nesta terça; líder do governo chama pedido de 'esdrúxulo'

José Marcos Lopes - Especial para a Folha de Londrina
18 jun 2024 às 19:05
- Orlando Kissner/Alep
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O deputado Arilson Chiorato (PT) protocolou nesta terça-feira (18), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), um pedido de impeachment do governador Ratinho Junior (PSD) por supostas irregularidades cometidas durante a votação do projeto de lei que autorizou o estado a terceirizar serviços administrativos em 204 colégios estaduais. Ele ainda disponibilizou um baixo-assinado para a população se manifestar. O líder da bancada governista na Alep, Hussein Bakri (PSD), chamou o pedido de “ridículo” e “esdrúxulo”.


Segundo Chiorato, o processo de aprovação da lei que institui o programa Parceiro na Escola, nos dias 3 e 4 deste mês, feriu leis estaduais e federais. “Houve inúmeras falhas e abusos no processo legal, infrações politico-administrativas sucessivas e o descumprimento de várias leis, federais e estaduais. Para ser preciso, nove leis federais descumpridas, um decreto federal e quatro leis estaduais”, afirmou o deputado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Na sessão desta terça, o oposicionista citou cinco pontos que, segundo ele, justificam o pedido. O primeiro seria a adoção do programa de terceirização em duas escolas em São José dos Pinhais, em 2022, sem autorização legal. Em segundo, Chiorato cita o uso de propaganda do governo para, de acordo com ele, “enganar a população” sobre a privatização das escolas. “Quantos milhões foram gastos nisso?”, questionou.

Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda

Google diz não permitir anúncios políticos no Brasil, mas publicidade continua a ser veiculada

Imagem de destaque
Novos detalhes

PF avança no caso 'Abin paralela' sob Bolsonaro e vê ações contra Judiciário, Congresso e eleições

Imagem de destaque
Primeiro turno

Câmara aprova PEC da Anistia, que reduz cota para negros nas eleições

Imagem de destaque
Eleições nos EUA

'Ótimo trabalho', diz Trump ao ironizar confusões de Biden durante entrevista


O afastamento de diretores favoráveis à greve dos professores (iniciada no dia 3 contra a aprovação do projeto) e o pedido de prisão da presidente da APP-Sindicato, Walkiria Mazeto, seriam outro motivo (na semana passada, a Justiça determinou que uma diretora afastada após a greve reassumisse suas funções). Chiorato disse também que o governo “fraudou listas de chamadas para enganar os paranaenses, dizendo que a greve teve baixa adesão, e pediu abertura de inquérito policial acusando a APP de atentar contra o estado democrático”.


O deputado citou ainda o disparo em massa de vídeos contrários à greve dos professores para os pais de alunos, com o uso de dados fornecidos às escolas – o envio foi confirmado pela Secretaria de Estado da Educação (Seed). “Lembrando que isso já aconteceu em 2022, quando o governo enviou mensagens golpistas pró-Bolsonaro”, afirmou Chiorato. Por fim, ele lembrou do sigilo de cinco anos imposto aos documentos da Seed. “O governador precisa pagar pelos crimes de responsabilidade que cometeu.”


Líder da bancada governista, Hussein Bakri (PSD) classificou o pedido como “esdrúxulo” e “ridículo” e sugeriu que ele será jogado na lata do lixo por Ademar Traiano. CONTINUE LENDO NA FOLHA DE LONDRINA

Imagem
Deputado protocola impeachment de Ratinho Jr. e líder do governo chama pedido de “ridículo”
Pedido é por supostas irregularidades cometidas pelo governador na votação do projeto que autorizou o estado a terceirizar gestão de escolas
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade