Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Projeto de lei

'É um absurdo e fere a nossa alma', diz Daniela Mercury sobre PL que equipara aborto a homicídio

Ana Cora Lima - Folhapress
13 jun 2024 às 10:15
- Reprodução/Instagram
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Daniela Mercury bem que tentou fugir de assuntos relacionados à política na noite do Prêmio da Música Brasileira, mas não deu.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Mulheres são mais afetadas

Câmara aprova inclusão de políticas públicas para Burnout no SUS; especialistas comentam

Imagem de destaque
Entenda

MP junto ao TCU pede suspensão de acordo entre governo e grupo dos irmãos Batista

Imagem de destaque
Entenda

Google diz não permitir anúncios políticos no Brasil, mas publicidade continua a ser veiculada

Imagem de destaque
Novos detalhes

PF avança no caso 'Abin paralela' sob Bolsonaro e vê ações contra Judiciário, Congresso e eleições

Depois de ser questionada se era a favor ou contra a privatização das praias ("totalmente contra"), ela reclamou do projeto de lei que equipara aborto após a 22ª semana, mesmo em caso de estupro, a homicídio. O PL 1904/2024 é de autoria do deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ).

Publicidade


"Como o presidente vai vetar e provavelmente não vai passar no Senado, a gente ainda tem o Supremo Tribunal Federal. Acho que eles não estão querendo gastar energia com um assunto dessa magnitude e que não vai passar mesmo. Não vai ser aprovado, não vai chegar a virar lei. Mas isso mostra a cabeça da Câmara, com o que ela está preocupada em vez de a gente avançar em direitos", disparou Daniela.


A cantora continuou: "Eles estão preocupados em votar algo que é afrontoso contra as mulheres brasileiras, contra as crianças brasileiras, contra os direitos já adquiridos. Isso é um absurdo e fere a nossa alma", disse Daniela.


"Não podemos deixar um congresso machista e desrespeitoso como esse tirar os direitos conquistados pelas mulheres há mais de 40 anos. Em uma democracia, quando se tira o direito da mulher é porque essa democracia está enfraquecida", concluiu.


Imagem
Ministério Público investiga envio de vídeo contra greve dos professores no Paraná
O MP-PR (Ministério Público do Paraná) investiga o custeio, a produção e o envio de vídeo contra a greve dos professores a pais de alunos da rede estadual de ensino.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade