Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Greve há mais de dois meses

Lula diz que grevistas 'têm que entender que estamos apenas há um ano e seis meses no governo'

Beatriz Jucá e Italo Nogueira - Folhapress
20 jun 2024 às 17:22
- Ricardo Stuckert/PR
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O presidente Lula afirmou nesta quinta-feira (20) que os professores de universidade federais, em greve há mais de dois meses, "têm que entender que nós estamos há apenas um ano e seis meses no governo".


"Às vezes eu fico triste porque ninguém agradeceu pelos 9% [no ano passado] e ficam fazendo uma greve dizendo que é por 4,5% porque não demos nada esse ano. Se a gente não deu porque não a gente não pode dar, isso não significa que a gente não possa nos anos seguintes dar mais que os 4,5%", disse o presidente em entrevista à rádio Verdinha, de Fortaleza.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Lula foi à capital cearense para cerimônia de anúncio de investimentos em instituições federais no estado. Assim como em outros eventos oficiais, um grupo de manifestantes pedia o reajuste dos servidores da educação federal.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crescimento de 1,54%

Londrina registra 399,7 mil eleitores municipais em 2024

Imagem de destaque
Ano eleitoral

Arquidiocese de Londrina apresenta cartilha com orientações para eleição municipal

Imagem de destaque
Debate inevitável

Cúpula da Câmara quer discutir nova reforma da Previdência em 2025

Imagem de destaque
Pedidos de renúncia

Porta-voz da Casa Branca diz que Biden terminará o mandato


O evento para anunciar investimentos na educação, especialmente no Ceará, contou com a participação de reitores e representantes de universidades e institutos federais, que agradeceram o anúncio e ressaltaram os ganhos na área.

Publicidade


Entre as obras anunciadas para o Ceará (que somam cerca de R$ 778,9 milhões) está a criação de um novo campus vinculado à Universidade Federal do Ceará (UFC), que contará com o imóvel antes destinado ao controverso projeto de construção de um aquário pelo ex-governador Cid Gomes, nunca concluído.


A paralisação dos professores de universidades federais foi iniciada em 15 de abril. Eles pedem reajuste salarial e recomposição do orçamento dos centros de ensino.

Publicidade


Os servidores reivindicam aumento de 3,69% em agosto deste ano, 9% em janeiro de 2025 e 5,16% em maio 2026. Brasília oferece 9% em janeiro de 2025 e 3,5% em maio de 2026. "Vocês não estão prejudicando o governo, o Lula, mas aos alunos, que estão perdendo aula. No meu governo não falta oportunidade para negociar", disse o presidente.


Em meio a cobranças, o governo lançou um PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) na segunda-feira (10) para as universidades federais e para os hospitais universitários, com previsão de R$ 5,5 bilhões em investimentos.

Publicidade


O ministro da Educação também anunciou um acréscimo de recursos para o custeio das instituições federais, em um total de R$ 400 milhões. Desse total, R$ 279,2 milhões serão para as universidades e outros R$ 120,7 milhões para os institutos federais.


Assim, o orçamento de 2024 dos centros de ensino chega a R$ 6,38 bi. O valor já é superior aos R$ 6,26 bi de 2023. Os valores, porém, já eram previstos no orçamento deste ano e foram somente adiantados, como mostrou a Folha de S.Paulo.


Imagem
Professores da UEL votam por paralisar atividades em 1º de agosto
Os docentes da UEL (Universidade Estadual de Londrina) decidiram, em assembleia na tarde de quarta-feira (19), no Anfiteatro maior do CLCH (Centro de Letras e Ciências Humanas), fazer paralisação de um dia em 1º de agosto.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade