Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Absurdo

Presidente do CFM diz que há limites para autonomia da mulher

Thaísa Oliveira - Folhapress
18 jun 2024 às 08:55
- Geraldo Magela/Agência Senado
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O presidente do CFM (Conselho Federal de Medicina), José Hiran Gallo, afirmou nesta segunda-feira (17) durante sessão de debates no plenário do Senado sobre o procedimento de assistolia fetal que há limites para a "autonomia da mulher".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Conscientização

Câmara de Londrina aprova Projeto de Lei que tenta minimizar infestação de pombos em Londrina

Imagem de destaque
'Parceiro da Escola'

Diretório Nacional do PT recorre ao STF contra lei que terceiriza 204 escolas do Paraná

Imagem de destaque
Próximo de R$ 3,5 bilhões

Câmara de Londrina aprova LDO de 2025 na última sessão antes do recesso parlamentar

Imagem de destaque
Investigação

Militares reforçam em depoimentos à PF acusações contra Bolsonaro sobre joias

"Até que ponto a prática da assistolia fetal em gestação acima de 22 semanas traz benefício e não causa malefício? Esta é a pergunta. Só causa malefício. Nesse campo, o direito à autonomia da mulher esbarra, sem dúvida, no dever constitucional imposto a todos nós de proteger a vida de qualquer um, mesmo um ser humano formado com 22 semanas", disse.

Publicidade


Hiran Gallo também defendeu a legitimidade do CFM, que aprovou uma resolução que proíbe a assistolia fetal, na definição de "critérios éticos e técnicos" para o trabalho dos médicos brasileiros. Disse, ainda, que há uma "narrativa distorcida" que coloca o conselho contra o aborto legal.


"O CFM não tem qualquer ingerência sobre esse processo e ousa dizer: a resolução 2.378, de 2024 [que impedia o médico de realizar assistolia fetal], não pode ser utilizada como desculpa por lacunas nesse tipo de atendimento que existem há décadas", afirmou.

Publicidade


O debate foi organizado a pedido do senador Eduardo Girão (Novo-CE) para discutir a chamada assistolia fetal, procedimento recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para a interrupção da gestação acima de 20 semanas.


A assistolia fetal entrou no foco das discussões depois de uma resolução de abril do CFM para proibir a realização do procedimento em grávidas com mais de 22 semanas de gestação, mesmo em casos de estupro.

Publicidade


A resolução foi suspensa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mas ganhou tração a partir de um projeto de lei. Na quarta (13), o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a votação do PL em regime de urgência –mecanismo que dispensa a avaliação das comissões.


Durante a sessão, Nyedja Gennari, uma contadora de histórias, encenou um feto pedindo para não ser abortado. A mulher grita e simula o desespero do feto, dizendo que quer continuar vivo.


A TV Senado chegou a barrar a transmissão de um vídeo levado pelo ex-secretário de Atenção Primária à Saúde do governo de Jair Bolsonaro (PL) Raphael Câmara Medeiros Parente –autor da resolução do CFM– devido à classificação indicativa.


Hiran Gallo afirmou que a resolução do CFM está amparada em critérios éticos e bioéticos. Ele defendeu que um feto com mais de 22 semanas tem "viabilidade de vida fora do útero" e que a assistolia fetal "configura um ato doloroso e desumano".


Imagem
Luciano Huck critica PL Antiaborto por Estupro: 'Não é questão ideológica, é de lógica'
O apresentador Luciano Huck se manifestou sobre o projeto de lei 1904, que restringe o aborto legal em casos de estupro, durante o Domingão com Huck (Globo).
Imagem
Ana Maria Braga se diz 'indignada ' com PL Antiaborto por Estupro
Durante seu programa ao vivo desta segunda-feira (17), Ana Maria Braga se posicionou contra o PL Antiaborto por Estupro.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade