29/11/20
PUBLICIDADE
Tendência

Carro próprio deve ser transporte preferido após pandemia, dizem estudos

Divulgação
Divulgação


A quarentena criou novos hábitos nos brasileiros que vão além do álcool em gel e da máscara. A busca pelo isolamento social, inclusive na hora de se locomover, é uma das diferenças trazidas pela pandemia que deve continuar mesmo depois dela. É o que aponta a pesquisa realizada pela Webmotors Autoinsights, com 1.363 pessoas – 68% delas afirmam que não pretendem mais utilizar o transporte público após a pandemia, apenas carro.


O maior motivo para a decisão, citado por 39% dos respondentes, ainda seria o medo de contaminações por coronavírus, mesmo depois que a quarentena acabar. Outros 35% afirmam que a preferência vem da sensação de segurança que o carro oferece. Houve também justificativas voltadas à maior rapidez no deslocamento e ao prazer em dirigir.

O transporte público e os carros de aplicativo foram as formas de transporte que mais apresentaram queda de utilização. 16% dos participantes da pesquisa afirmam que costumavam optar por apps de carona antes da pandemia; o uso dessa opção baixou para 11% durante a quarentena e, de acordo com a intenção relatada pelos pesquisados, deve cair para 8% após o fim dela.
Internacional

A tendência de abandonar o transporte coletivo não é apenas brasileira. 44% dos 11 mil europeus, chineses, indianos e estadunidenses entrevistados na pesquisa da Capgemini dizem que agora preferem o carro ao transporte público, e 35% deles afirmam que gostariam de comprar um automóvel ainda em 2020, o que deve aumentar as buscas por opções mais baratas, como seminovos e carros de leilão, visto que os salários de muitas pessoas seguem abalados pela crise.

Trânsito pós-isolamento

No Brasil, boa parte dos cidadãos que responderam à pesquisa da Webmotors Autoinsights (41%) acredita que o menor uso de trens, metrô e ônibus deve piorar o trânsito, mas essa não é a opinião mais popular – 48% acreditam que não haverá diferença no fluxo de automóveis nas cidades, e apenas 11% acreditam na melhora do trânsito pós-pandemia.

Os que acreditam que o novo hábito vai prejudicar o fluxo nas vias das cidades justificam que haverá mais carros circulando por conta do medo de aglomerações, maior quantidade de motoristas de aplicativo estimulados pelo desemprego, somados à ansiedade dos brasileiros de voltar às ruas e os estudos e trabalho presenciais normalizados.

Já os que têm esperança de melhora afirmam que ela ocorrerá por conta da crise financeira estendida, que manterá as pessoas em casa e diminuirá o poder de compra para a obtenção de novos veículos e manutenção dos já adquiridos, maior número de empresas adotando a política de home office agora do que no passado e uma educação populacional que levará as pessoas a não saírem de casa sem necessidade.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Pesquisa de preços

Região Sul tem gasolina mais barata do país, mesmo com aumento

27 NOV 2020 às 11h21
Novos prazos

Motoristas com CNH vencida em 2020 poderão renovar em 2021

26 NOV 2020 às 09h31
Situação indefinida

Consórcio do DPVAT é dissolvido e seguro pode zerar em 2021

25 NOV 2020 às 11h38
Visual conservador

Honda apresenta conceito para a 11ª geração do Civic

24 NOV 2020 às 11h39
Evolução

Toyota Hilux 2021 tem novos equipamentos e motor mais potente

24 NOV 2020 às 10h20
Está chegando

Jeep prepara nova versão do Compass com visual reformulado

23 NOV 2020 às 11h24
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados