19/06/21
PUBLICIDADE
Manusear com segurança

Como evitar problemas no transporte de materiais pesados ou frágeis na obra

Divulgação
Divulgação


Para que uma obra seja realizada, é necessário que uma série de materiais sejam transportados até o seu endereço final. Porém, como proceder em casos de elementos pesados, extensos ou frágeis? O arquiteto Bruno Moraes, do escritório Bruno Moraes Arquitetura, que encara esse tipo de desafio diariamente em seus projetos, conta quais são as principais precauções nesse sentido. Confira!

Qual a melhor forma de transportar?

Antes de decidir a maneira de transportar um material de grandes proporções, é primordial analisar diversos aspectos para então escolher a melhor opção. Entre os caminhos possíveis estão o içamento (uma elevação vertical geralmente feita por meio de cabos de aço ou cordas) ou, se possível, a desmontagem / divisão do produto em várias partes para que seja carregado através das escadas ou elevadores. Entre os fatores que precisam ser avaliados estão:

- Medição dos tamanhos dos vãos de passagem: é necessário aferir os espaços como vãos de portas, portões, janelas e elevadores para avaliar a viabilidade e segurança do transporte do material (seja inteiro ou em partes) por meio de funcionários qualificados e com o equipamento adequado. No caso do elevador, ainda é necessário levar em consideração o limite de peso de carga da unidade. Bruno também reforça que prédios mais antigos representam um grau superior de dificuldade para a realização desse trabalho, haja vista as escadas de serviços e elevadores costumam ser mais estreitos.

- Risco de quebrar ou danificar os objetos: Às vezes, um tampo de pedra ou um espelho até possui as medidas e peso adequados para subir na escada do prédio, mas será que vale a pena? Afinal, em alguma curva da escada pode existir o risco de batidas e perda total do material. Portanto, elementos frágeis deverão ser avaliados individualmente.

- Excesso de peso: No caso de um enorme tampo de pedra, o seu transporte dependerá de várias pessoas para conseguir alçar pela escada. Dessa forma, é apropriado utilizar equipamentos de proteção específicos – tanto para os colaboradores, como para a peça que será levada. Tendo em vista essa análise, o responsável pela obra pode deliberar sobre o esforço de carregar ou partir para o içamento.

Alternativas interessantes

Para quem prefere evitar o içamento, em razão do custo mais alto, há algumas alternativas interessantes para facilitar o trabalho de transporte. Para quem ainda se encontra na etapa de escolher os móveis de casa, Bruno indica a aquisição de sofás modulares ou peças desmontáveis, que são mais simples de carregar pelo elevador ou escada. Com relação às bancadas de pedras, em algumas condições também é possível dividir o tampo da cozinha, eliminando a demanda do manuseio pelo lado externo. Porém, essa decisão dependerá muito de uma questão técnica de projeto, pois a peça única, sem emenda, por vezes propicia uma estética muito mais interessante no décor.

O arquiteto relata um exemplo ocorrido com ele: "Em um de nossos projetos, verificamos alguns impasses para o transporte de um ofurô. Para que o cliente não tivesse custos adicionais, combinamos com o fornecedor de subi-lo desmontado. Assim, a montagem foi realizada in loco, facilitando o processo”, conta Bruno.

Tendência

"Atualmente podemos contar com os porcelanatos de grandes formados, com mais de 2 metros de altura. Por enquanto ainda é novidade, mas será uma tendência e vamos observar cada vez mais sua presença nas obras. Esses formatos grandes geralmente são içados e precisam ser instalados com vários cuidados”, adianta o arquiteto.

Içamento

Como citado acima, o içamento consiste na elevação vertical de materiais ou objetos, que geralmente é feita por cabos de aço ou cordas. O equipamento que puxa os cabos, onde o produto será içado, é montado no próprio apartamento. Enquanto isso, no térreo do prédio estão posicionados os profissionais capacitados para acompanhar e guiar o transporte com outro cabo, evitando que o produto não resvale em janelas de vizinhos ou na fachada da edificação.

Entre os principais tipos de materiais içados estão móveis e objetos grandes e pesados, como sofás e mesas de jantar, além de tampos de pedras de cozinhas, ilhas e varandas gourmet. Outros exemplos são os painéis de madeira. "Por uma preocupação estética, já içamos painéis de madeira laqueada, evitando correr o risco de danificá-lo no transporte pela escada. Outro caso se aplica aos grandes painéis de madeira. O ideal é otimizar a contratação do içamento em um único dia”, revela o profissional

Responsabilidade

É importante ressaltar que não é de responsabilidade do escritório de arquitetura a realização do içamento, pois há empresas específicas no mercado que realizam esse trabalho. "Porém, para facilitar a vida dos clientes, costumamos realizar orçamentos para então repassarmos a eles”, comenta Moraes.

Após a escolha da empresa executora, fica sob sua responsabilidade a emissão de uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) que compreende o serviço e o equipamento empregado durante o processo. Afinal, trata-se uma atividade que envolve muitos riscos – entre eles, a vida dos trabalhadores e de pessoas que frequentam o condomínio, bem como a integridade do material.

No tocante aos condomínios, outro detalhe fundamental é aprovar previamente o içamento com a administração e o síndico. Geralmente, nessas situações, o condomínio analisa toda a documentação da empresa contratada, além de elaborar um comunicado ou isolar a área para não correr nenhum risco de acidentes aos profissionais e moradores. Bruno ressalta que, quando o condomínio não isola a área, os coordenadores de obras de sua equipe tomam à frente desse papel, analisam todos os potenciais perigos e indicam qual o melhor ponto para realizar o içamento.

Erros cometidos

Bruno enfatiza a importância de contratar uma empresa qualificada e com credibilidade no mercado para a realização do içamento. "Já vi acidentes feios, do objeto despencar do alto, em razão do serviço não ser executado por uma empresa especializada. Um acontecimento como esse, além de perder o produto, também pode gerar acidentes gravíssimos. Por isso, é tão importante exigir um documento de responsabilidade técnica, além do seguro pelo transporte, caso haja algum imprevisto”, relata.

Içamento em casas

"Em residências, o processo de içamento costuma ser muito mais tranquilo, já que a altura não é tão elevada e o contexto não envolve riscos aos condôminos. É comum a própria equipe de obras realizar o içamento com cordas, mas precisamos analisar se esses profissionais são treinados e sabem o que estão executando, para não ter nenhum acidente de trabalho”, finaliza o arquiteto Bruno.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
Continue lendo
Revestimento

Como cuidar de piso vinílico?

19 JUN 2021 às 10h00
Projetos de Design

Cinco dicas para combinar tons de madeira na decoração da cozinha

18 JUN 2021 às 15h37
Colorida e divertida

Dicas de decoração para tornar a sua festa junina em casa ainda mais criativa

17 JUN 2021 às 14h46
Industrial, retrô, romântico

Qual estilo de decoração combina mais com você?

16 JUN 2021 às 15h39
Chegada do Inverno

Quatro dicas para garantir um banho quentinho com o chuveiro elétrico

15 JUN 2021 às 15h08
De olho na rua

Condomínios e vizinhos se unem para fortalecer segurança da rua

14 JUN 2021 às 15h46
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados