Pesquisar

Canais

Serviços

Ronald Golias: um dos últimos expoentes do humor de personagem - Divulgação
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Cadê a graça?

18 out 2005 às 11:00
Continua depois da publicidade

Dias atrás morreu aos 76 anos Ronald Golias. Comediante de muitos programas como "Família Trapo", "A praça é nossa" e "Escolinha do Golias". Golias era, assim como Chico Anysio, criador de inúmeros personagens: Pacífico, Bronco, Professor Bartolomeu e o Mestre. Sua morte acentua ainda mais o processo de extinção do humor de personagens que a televisão brasileira enfrenta. Seria esse processo uma crise ou apenas a transformação do humor brasileiro?

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

O fato é que olhando a grade semanal de programas humorísticos na televisão, há pouquíssimos que ainda provocam risadas nos telespectadores. A maioria deles chega a ser constrangedor de tão sem graça, com quadros que beiram o ridículo. Besteiras que nos fazem acreditar que nossos comediantes perderam a noção ou a inspiração.

Continua depois da publicidade


A própria "Praça é nossa", onde Golias era uma das estrelas, continua o mesmo modelo de meio século. Quando mais jovem costumava achar bem engraçado personagens como Dona Vamércia e a Velhinha surda. Hoje o programa é uma sucessão de quadros idênticos, desgastados e monótonos. Assistiu um, assistiu todos. Será que nós, telespectadores, enjoamos da fórmula e ficamos mais exigentes ou foram os roteiristas e escritores que foram piorando ao longo do tempo?


No mesmo horário da Praça há o "Zorra Total", que leva o título de pior programa de humor da tv brasileira. Artistas consagrados como Nair Bello, Jorge Dória, Agildo Ribeiro, Pedro Bismarck e até mesmo Chico Anysio são totalmente subaproveitados. Todas as piadas giram em torno de sexo. Ou é o caso clássico do bobão casado com uma gostosona ou o velho assanhado que dá em cima das jovenzinhas que mal saíram da puberdade. Assistir isso todo fim de semana é uma punição. Onde foi que nós, meros espectadores erramos? Estranho que o público da Zorra Total é composto em sua maioria por crianças e casais mais velhos, exatamente o público que está em casa no sábado à noite, esse mesmo público que, teoricamente, é o que menos deve gostar de piadas sexuais. Alguma coisa errada nisso? Será?

Continua depois da publicidade


Entre os bons exemplos nessa mesma rede de TV temos os seriados "A grande família" e "A Diarista". Com o fim do ótimo "Os Normais", essas séries detém hoje o título de melhores seriados humorísticos da TV. As duas apostam num grande elenco e uma forma simples e eficiente que vem garantindo bons níveis de audiência: típicos brasileiros de classe média com todos seus estereótipos. Há também de leve alguma crítica social, caso do episódio "O Pastelão do Beiçola" da Grande Família, que criticava claramente o caso do mensalão.


O "Casseta e Planeta" é outro programa que vem melhorando consideravelmente. Depois de passar por uma crise criativa que durou uns 5 anos, o programa volta a provocar risadas, mas ainda está longe do sucesso que obtinha quando estreou. Até a Maria Paula começou a ficar mais simpática, mas isso só em alguns instantes.


Tom Cavalcante também vem oscilando bons e maus momentos. Seu forte é a sátira. Quadros como da CPI, Faustão, o Infeliz são hilariantes. Até mesmo Tiririca volta a ser engraçado nessas situações. Suas imitações da senadora Heloísa Helena são de chorar de rir. Mas, infelizmente não é sempre que ele acerta a mão. Quadros um tanto quanto jacus como "esta é a sua vida" e um concurso de piadas que não tem nada a ver com o seu programa são incompreensíveis.


O título de mais inovador e irreverente humorístico fica com "Pânico na TV". A experiente trupe de humoristas tira sarro de tudo e de todos. O programa tem um ritmo bem ágil, basta mudar para o Faustão que é exibido no mesmo horário, para você morrer de sono e tédio. Emílio, Bola e companhia vem até criando modismos. O "pedala Robinho" é uma febre nacional. Os episódios políticos são os que geram as melhores piadas. O quadro com os repórteres travestidos de Lula, Roberto Jefferson e Enéas tem garantido ótimas risadas. Recentemente a diversão deles era passar pulando por de trás dos repórteres que faziam cobertura ao vivo do caso Maluf. Molecagem infantil diriam alguns, mas que o público adora. Os episódios das "sandálias da humildade" com Clodovil e Carolina Dieckman só fortaleceram o programa como um dos mais iconoclastas da televisão, chamando atenção para esse novo jeito de fazer rir, um tanto quanto extravagante e muitas vezes desrespeitoso.

Fazia tempo que o humor brasileiro precisava de uma renovação. Talvez "Pânico na TV" seja um passo importante para isso. Parece que chefões das emissoras de TV ainda procuram o novo Didi Mocó ou o Costinha do amanhã, mas o público já vem dando provas que está cansado dos mesmos formatos. Trapalhões, Chico City, Praça é Nossa, Viva o Gordo eram ótimos programas em sua época, mas hoje ninguém mais quer saudosismo.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade