Pesquisar

Canais

Serviços

Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Sabedoria

Dia dos avós: será que eles realmente 'estragam' os netos?

Redação Bonde
26 jul 2016 às 10:58
Continua depois da publicidade

Certamente você já disse ou ouviu dizer que os avós estragam a educação dos netos e tiram a autoridade dos pais, mas esta afirmação é falsa ou verdadeira? A resposta não é tão simples assim, pois não devemos generalizar comportamentos. Nas relações familiares há quem queira determinar um comportamento padrão e é rigoroso na cobrança dos filhos e netos. Mas, há também quem sabiamente aconselha e passa sua experiência de vida com o devido respeito às individualidades e às diferenças culturais das novas gerações.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Na realidade, esse tema da participação dos avós na educação dos netos ganha ainda mais destaque, especialmente nesse tempo em que a sociedade vive a grave crise do conceito de família. São pais que estudam, trabalham, ficam desempregados ou se separam muito cedo e acabam deixando os filhos mais tempo com os avós. E é feliz quem tem a presença segura do vovô e da vovó, como amigos, conselheiros e companheiros de caminhada, contribuindo assim para o desenvolvimento emocional e espiritual dessas crianças e adolescentes.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Nesse contexto, o Papa Francisco afirma que "os avós na família são os depositários e, muitas vezes, testemunhas dos valores fundamentais da vida. A tarefa educativa dos avós é sempre muito importante e torna-se ainda mais, quando, por várias razões, os pais não são capazes de assegurar uma presença adequada ao lado dos filhos durante a idade do crescimento."


Portanto, para evitar a injusta generalização sobre a interferência dos avós na educação dos netos, é recomendável que se observe e considere a sabedoria das pessoas idosas que, por sua experiência de vida, têm mais habilidade no trato com as crianças e adolescentes. Mas, vamos combinar: Pai é pai e avô é avô... E cada um deve agir conforme o combinado, para evitar conflitos.


Com toda essa vivência na educação dos próprios filhos, amadurecida pelo tempo de reflexão sobre seus erros e acertos, os avós têm papel fundamental na cultura do diálogo e da paz na família. Sempre com uma boa história para contar, eles são agentes de conscientização e formação das pessoas para uma relação familiar humanizada e fundada nas virtudes da fé, esperança e amor.

Continua depois da publicidade


Para saber se estamos sendo bons "avós/pais", proponho uma releitura do "Hino da Caridade", escrito pelo apóstolo Paulo à Comunidade de Corinto, colocando seu nome no lugar da palavra Amor ou Caridade. Com o devido respeito ao texto original, a versão reflexiva torna-se uma verdadeira "Oração de Amorização":


"O amor é paciente, é benfazejo; não é invejoso, não é presunçoso nem se incha de orgulho; não faz nada de vergonhoso, não é interesseiro, não se encoleriza, não leva em conta o mal sofrido; não se alegra com a injustiça, mas fica alegre com a verdade. Ele desculpa tudo, crê tudo, espera tudo, suporta tudo" (I Cor 13,4-7).


Este exercício espiritual pode ser repetido todos os dias, quantas vezes for necessário, pois é um santo remédio para uma vida familiar saudável.

"Bença vô! Bença vó!" (*Por José Expedito da Silva é avô, jornalista e apresenta o Jornal Café da Manhã na Rádio Canção Nova).


Continue lendo