Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Relações delicadas

Segundo casamento? Veja como viver em harmonia com os enteados

Redação Bonde
20 set 2013 às 09:03
Continua depois da publicidade

O perfil das famílias brasileiras mudou. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 20% dos casamentos no Brasil são de pessoas que já tiveram um matrimônio anterior. Na maior parte das vezes, isso implica unir, num mesmo contexto, enteados, madrastas e padrastos – o que não é nada fácil. Afinal, trazer um novo parceiro para a rotina dos seus pequenos ou aprender a conviver com os filhos do atual companheiro, por exemplo, requer muita dedicação, paciência e compreensão.

Continua depois da publicidade

Roberta Palermo, terapeuta familiar e autora dos livros "Madrasta, quando o homem da sua vida já tem filhos" e "100% Madrasta – quebrando as barreiras do preconceito", diz que essa é uma situação de adaptação para todos os envolvidos. Assim, é fundamental que o adulto passe segurança para a criança.

Continua depois da publicidade


"O ideal é que tudo seja conversado, mas os pais devem deixar claro que estão no comando. Existe uma hierarquia: o casal decidiu começar uma vida amorosa, e os pequenos precisam receber o novo membro familiar com respeito", afirma.


Por sua vez, Marina Vasconcellos, psicóloga e terapeuta familiar, explica que para a relação começar bem, a madrasta ou o padrasto deve se aproximar do enteado com cautela, sempre demonstrando que não há qualquer tipo de competição e que o amor do pai ou da mãe em relação a ele não vai mudar. "É preciso também estabelecer o papel de cada um, afirmando que o(a) parceiro(a) não está ali para substituir ninguém", completa.

Continua depois da publicidade


Como impor limites


Conquistar a simpatia dos enteados é importante, mas um dos pontos mais complicados é a participação efetiva na educação, principalmente porque isso envolve autoridade e imposição de limites. Roberta esclarece que essa responsabilidade é sempre dos pais. São eles que precisam mostrar quais são as "regras do jogo" e estabelecer se seus companheiros têm ou não liberdade para fazer cobranças.


"O que não funciona é o padrasto ou a madrasta chegar com uma norma que nunca foi exigida antes. Nesses casos, é preciso entender primeiro a situação antes de conversar com a criança, porque a sua rotina pode ser diferente", destaca Roberta.


Nas situações em que um dos pais é ausente e a convivência com a madrasta ou padrasto é mais próxima, Marina afirma que a interferência na educação pode ser efetiva, já que o cônjuge terá um papel maior na vida familiar. "Sempre lembrando que se deve conversar com o parceiro sobre qualquer decisão a ser tomada, pois a autoridade ainda está com a mãe ou o pai", diz.


Dicas dos especialistas


Se você se identificou com alguns dos exemplos citados, veja as dicas de Roberta e Marina para superar o desafio de uma convivência agradável e harmoniosa entre padrastos, madrastas e enteados:


Não se imponha ou coloque seu novo parceiro como "substituto", tanto no caso de pais vivos quanto de falecidos.


Seja amiga, atenciosa e mostre-se disponível para o diálogo. Incentive esse mesmo comportamento do seu novo companheiro com os seus filhos, se for o caso.


Competir com a criança para disputar a atenção do parceiro é um grande erro. Lembre: você escolheu alguém que já tem filhos para recomeçar a vida.


Em casa, tenha um lugar para receber os enteados. Sempre que possível, convide-os para passar fins de semana juntos. Acolhê-los com carinho e atenção contribui muito para conquistá-los e garantir a boa convivência.


Procure não fazer distinção entre filhos e enteados na hora de tomar decisões que afetem a família toda. Agora, todos fazem parte de um mesmo lar.


Não fale mal dos pais para os enteados. Mantenha sempre uma postura de respeito em relação a eles. Valorize o novo companheiro. Elogiar e mostrar o quanto todos estão felizes com a sua companhia colabora para que as crianças se sintam seguras.


É fundamental explicar bem o fato de que "papai e mamãe" não estão juntos por motivos específicos, e não por culpa da madrasta ou do padrasto.


Mesmo que os pais não tenham muito contato com os filhos, devem exigir obediência e disciplina. Dessa maneira, diminui-se a possibilidade de conflitos entre as crianças e o novo parceiro.

Se você quer obter mais informações e trocar ideias com pessoas que já passaram por isso ou que ainda vivem essa situação, a terapeuta Roberta Palermo mantém um fórum constante sobre o assunto. Acesse http://madrasta.forumattivo.com/ e participe. (Fonte: Portal Vital / Unilever)


Continue lendo