Pesquisar

Canais

Serviços

- Rodnae Productions/Pexels
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Moda

'Plus size' pode ganhar mercado com roupas mais bonitas

Isabella Alonso Panho - Especial para a Folha
14 fev 2022 às 07:43
Continua depois da publicidade

Apesar de casar muito bem com a linguagem cheia de estrangeirismos do mundo globalizado, o termo “plus size” já tem cerca de 100 anos. A história da palavra remete à costureira estadunidense Lane Bryant, que descobriu um nicho de mercado fazendo roupas para mulheres maiores. Diante do fortalecimento dos discursos de aceitação e diversidade, o mercado plus size cresce nos últimos anos como contraponto ao padrão, mas ainda luta para se firmar.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


“A indústria tem melhorado, feito mais peças para esse público. Mas, comparado ao público P/M/G, perde de 10 a 0. A diversidade das mercadorias ainda é muito pequena”, afirma a empresária Lavínia Rocha, que possui uma loja de roupas de modinha em tamanhos maiores.

Continua depois da publicidade


Mas afinal, há uma definição clara do que é ser plus size? A jornalista Marcela Elizabeth Pereira, presidente da Associação Brasileira do Plus Size, explica que “como associação, nós definimos como um termo de moda e as pessoas que estão enquadradas nesse mercado são as que usam a partir do 46”. Contudo, na prática, o limite não é tão claro. “Hoje a maioria das empresas atende até 56 ou 58, o que ainda não contempla todo o público, mas já evoluiu muito”, conclui a presidenta.


“Todo mundo tem o direito de se vestir e escolher uma roupa legal para usar, e não de se preocupar só da roupa servir ou não”, pontua a estilista Isadora Bortolotto, proprietária de uma marca de vestidos de festa que leva seu nome. “Quando as marcas começaram a fazer tamanhos maiores, produziam modelos muitos padronizados. Por exemplo, na minha área: vestido de festa com manguinha para tampar o braço, com a cintura lá em cima, modelos muito simples, só para cumprir protocolo”, comenta.


Esse movimento de empoderamento, por outro lado, tem estimulado o público plus size a ser mais exigente. “E agora esse público-mercado não quer mais que você só faça uma peça de tamanho grande. Ele exige que você faça peças tão bonitas quanto as que se veem em modelos muito magras. Quem usa plus size não tem que andar só de calça jeans e camiseta”, conta Bortolotto. Rocha tem a mesma percepção com a clientela da sua loja, que leva o nome da empresária: “A mulher plus size hoje quer usar cropped, body, shorts curtos, tudo que usa e vende no P/M/G”.

Continua depois da publicidade


Continue lendo na Folha de Londrina.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade