Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Entenda

Guerreiro medieval de mil anos atrás pode ter sido pessoa não binária

Reinaldo José Lopes
17 nov 2021 às 11:49
Continua depois da publicidade

Uma pessoa enterrada há quase mil anos em Suontaka, no sul da Finlândia, recebeu como oferendas fúnebres duas espadas, decoradas com bronze e prata, enquanto suas vestes tinham broches típicos de roupas femininas.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Durante muito tempo, o sepultamento foi visto como o de uma mulher guerreira, mas uma análise de DNA sugere que quem ocupa o túmulo era portador de uma anomalia em seu genoma e pode ter tido, em vida, uma identidade de gênero não binária, mesclando os papéis tradicionais de homens e mulheres.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


A hipótese é de pesquisadores da Finlândia e da Alemanha, que reavaliaram todos os artefatos encontrados no túmulo de Suontaka e conduziram a análise genômica dos restos mortais.


Os resultados foram publicados em artigo na revista especializada European Journal of Archaeology. A equipe é encabeçada por Ulla Moilanen, que está prestes a defender seu doutorado no Departamento de Arqueologia da Universidade de Turku, na Finlândia.


O enterro misterioso foi identificado pela primeira vez em 1968. Não havia sinal de caixão, e os ossos estavam muito degradados, de modo que foi possível retirar apenas os fêmures (ossos das coxas) do local. Isso faz com que tentativas de estabelecer características como o sexo e a idade com base apenas nas feições ósseas se tornem praticamente impossíveis.

Continua depois da publicidade


O jeito foi então analisar os artefatos encontrados na sepultura. De um lado, a presença de espadas indicaria alguém do sexo masculino, embora haja exceções a essa regra na Escandinávia medieval. Por outro lado, os broches são típicos de roupas femininas.


Foi isso que levou à interpretação inicial de que a pessoa enterrada seria uma mulher com atributos guerreiros. Outros pesquisadores chegaram a sugerir que originalmente haveria dois corpos na cova, mas hoje se considera que essa hipótese foi refutada.


"Ao que parece, o indivíduo era nativo do local e pertencia a uma população falante do finlandês, a julgar pelo tipo de sepultamento e pelos broches", explicou Moilanen à reportagem.


"As espadas são de um tipo normalmente produzido na Europa Central, o que indica que a pessoa pertencia a uma família relativamente rica e com boas conexões comerciais."


A morte teria acontecido entre os anos de 1050 e 1150, segundo uma datação feita a partir do próprio esqueleto.


A análise de DNA, usando amostras dos fêmures, não conseguiu obter muitos dados -a maior parte do material genético já tinha sido degradada.


No entanto, a equipe conseguiu desenvolver um método para tentar "pescar" apenas informações sobre os cromossomos sexuais, designados com as siglas X e Y e importantes para a determinação do sexo biológico (na maior parte da população, mulheres carregam dois cromossomos X, enquanto homens têm um cromossomo X e outro Y).


A conclusão da equipe, porém, é que muito provavelmente o indivíduo enterrado em Suontaka tinha dois cromossomos X e um Y, condição conhecida como síndrome de Klinefelter (a probabilidade em favor dessa ideia, segundo eles, é superior a 99,5%).


As pessoas com a síndrome frequentemente possuem órgãos sexuais masculinos pouco desenvolvidos e tendem a apresentar menos pelos no rosto e no corpo, bem como quadris mais largos. A presença de ginecomastia (aumento das mamas) é outra característica mais frequente entre indivíduos afetados do que na população geral.


Por outro lado, há muitos casos nos quais os portadores não chegam a perceber que têm a síndrome.


Os autores do estudo destacam que não é possível simplesmente assumir que a anomalia cromossômica teria ditado um papel ambíguo de gênero para o portador da síndrome, mas a somatória dos artefatos e da análise de DNA podem fortalecer essa possibilidade, de acordo com eles.


Estudos genômicos já tinham revelado a possível presença de pessoas com síndrome de Klinefelter em sítios arqueológicos antes (a condição não é tão rara, atingindo algo entre 1 a cada 500 e 1 a cada 1.000 bebês do sexo masculino), mas é a primeira vez que isso parece se refletir na ambiguidade dos bens funerários.


Segundo a coordenadora do estudo, o sepultamento aconteceu durante uma época de muitas mudanças no território finlandês. Na época, missionários cristãos estavam chegando à região, vindos do oeste, enquanto a área também estava sofrendo pressões políticas do leste, por parte do principado de Novgorod, na atual Rússia.

Continue lendo