Pesquisar

Canais

Serviços

Vivian Honorato / N.Com
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Óculos acessíveis

Biblioteca Pública de Londrina recebe dispositivo inteligente de leitura para deficientes visuais

Redação Bonde com N.Com
02 dez 2021 às 16:42
Continua depois da publicidade

A Prefeitura de Londrina foi contemplada com a cessão de um equipamento viabilizado pelo Governo do Paraná, por meio do Projeto Óculos Acessível – OrCam MyEye, iniciativa da Sejuf (Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho). 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Trata-se de um dispositivo moderno de “óculos inteligente” para auxílio a pessoas cegas e com dificuldades de visão, que permite a leitura por escuta, reconhecimento facial, identificação de objetos, cédulas e códigos de barra, entre outras finalidades.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


O aparelho foi recebido na quarta-feira (1º) pelo prefeito Marcelo Belinati, das mãos do secretário de Estado da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost. Eles apresentaram e assinaram o termo de cooperação referente ao dispositivo que ficará cedido à Biblioteca Pública Municipal de Londrina, que está comemorando 70 anos em 2022. Foi neste local onde ocorreu a cerimônia que reuniu autoridades, representantes de entidades, servidores e comunidade.


Em Londrina, o objetivo deste novo equipamento é auxiliar pessoas com deficiência visual a usufruir dos livros, periódicos e demais obras da Biblioteca Pública. O mecanismo portátil de inteligência artificial conta com uma pequena câmera sem fio que pode ser acoplada magneticamente a qualquer armação de óculos.


O equipamento ficará à disposição dos usuários da Biblioteca Pública Municipal que possuem deficiências visuais, mediante agendamento. Este espaço agora é responsável pela gestão do item tecnológico por um período inicial de dois anos, com a possibilidade de renovação. 

Continua depois da publicidade


Os óculos também poderão ser utilizados, conforme o plano de trabalho do local, em atividades realizadas em outros pontos, tendo como foco principal as instituições que auxiliam os deficientes visuais, além de universidades e outros segmentos.


No Paraná, além de Londrina, apenas a capital Curitiba e Cascavel contam com unidades do óculos OrCam MyEye disponibilizados pela fase inicial do projeto-piloto Óculos Acessível. O custo de cada unidade é de cerca de R$ 18 mil e, até agora, a iniciativa disponibilizou cinco aparelhos, totalizando aproximadamente R$ 90 mil em investimento para essa finalidade. Com o arrefecimento da pandemia, a ideia é ampliar gradualmente o alcance do projeto no estado.


Segundo o prefeito Marcelo Belinati, é de grande importância para a sociedade quando uma tecnologia moderna é aplicada em favor das pessoas, garantindo mais acessibilidade, inclusão e qualidade de vida. 


“É uma gratidão para mim, enquanto gestor municipal, receber aqui este aparelho que será muito útil para pessoas com deficiência visual. Desejamos que essa bela iniciativa do governo estadual possa ser ampliada, mais e mais, a fim de beneficiar quem mais precisa. Agradeço ao secretário Ney Leprevost pela sensibilidade em custear e nos ceder este equipamento e tenho certeza que poderemos ter outros como este para atender à população”, enfatizou.


O secretário de Estado da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, destacou a relevância do chamado “óculos inteligente” para quem possui deficiência visual. 


“Este equipamento, uma tecnologia cara e produzida em Israel, permite a leitura para pessoas cegas e com deficiência visual. É algo incrível a acessibilidade criada por este óculos. O projeto Óculos Acessível, gerido pela Sejuf, ainda está em fase inicial, mas, caso o resultado seja positivo trabalharemos para ampliar a demanda e adquirir mais unidades para levar a mais cidades e pessoas. O Brasil precisa de mais solidariedade, igualdade e respeito, e iniciativas como essa visam propiciar inclusão e condições melhores para aqueles que necessitam”, ressaltou.


A diretora de Bibliotecas, da Secretaria Municipal de Cultura, Leda Araújo, salientou que receber o aparelho tecnológico é um grande presente para os 70 anos da Biblioteca Pública Municipal de Londrina. 


“Essa iniciativa ajudará muito a Biblioteca a aprimorar ainda mais a qualidade de seu atendimento. Nós temos um acervo de materiais em braile, mas isto será valioso para aumentar o acesso ao público com deficiência visual, atraindo mais frequentadores que queiram usufruir dessa moderna e prática ferramenta para suas leituras. Teremos reuniões com as instituições que trabalham com este público e vamos definir como funcionarão as atividades, que poderão ocorrer dentro da própria Biblioteca e também fora dela. Londrina possui hoje sete unidades de bibliotecas municipais, em diferentes regiões, e nosso sonho é contar com pelo menos um dispositivo em cada uma”, disse.


A Sejuf disponibilizará treinamento para a Biblioteca Pública, além de vídeos, manual e materiais de orientação. Também ficará à disposição, de forma remota, uma pessoa ligada à marca OrCam MyEye para tirar dúvidas e orientar servidores e o público interessado em utilizar a ferramenta.


Para a coordenadora do DET (Departamento do Trabalho), da Sejuf regional em Londrina, Elza Correia, essa tecnologia moderna é fundamental no processo de inclusão e acessibilidade. 


“Pouquíssimas cidades dispõem dos óculos OrCam, que traz possibilidades extraordinárias de aprendizado e praticidades a quem não enxerga e tem dificuldades em acessar bibliotecas. A Sejuf, por meio do secretário Ney Leprevost e sua equipe, entendeu que o investimento era essencial e poderia fazer a diferença para muita gente. Estamos felizes com este momento, sabendo que essa realização é resultado de grande luta daqueles que possuem deficiência ou os representam, sendo que muitas vezes vemos os direitos básicos sendo desrespeitados. A tarefa agora é divulgar a iniciativa para que no futuro tenhamos a chance de receber mais equipamentos dessa natureza”, afirmou.


Na mesa de cerimônia do evento, a presidente do CMDPD (Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência) de Londrina, Ghislaine Silveira, representou o Instituto Roberto Miranda e a Adevilon (Associação dos Deficientes Visuais de Londrina), com membros e alunos presentes. 


“O recebimento dos óculos nos anima, é um prazer participar hoje aqui podendo representar essas entidades que prestam um importante e bonito serviço em Londrina. Queremos presenciar, cada vez mais, outras entregas que venham para beneficiar as milhares de pessoas que tenham alguma forma de deficiência na cidade”, disse.


Mais autonomia e liberdade – Os irmãos gêmeos André e Anderson de Alcântara, de 23 anos, participaram do evento e foram os primeiros voluntários que testaram os óculos com inteligência artificial na Biblioteca. Eles frequentaram o Instituto Roberto Miranda até o ensino médio e cursam hoje, respectivamente, mestrado em Literatura pela UEL (Universidade Estadual de Londrina), e graduação (4º ano) em Letras pela UEL.


“Nossa mãe lia para nós desde que éramos pequenos, também tivemos acesso a livros em braile e em áudio, e foi assim que cultivamos o hábito da leitura e a paixão em cursar Letras, até chegarmos à universidade. Estávamos ansiosos para conhecer este dispositivo de perto e poder utilizá-lo. É muito legal e prático, um óculos moderno que nos traz mais autonomia e liberdade, e novas possibilidades de conhecimento de mundo, já que muitos materiais já publicados não oferecem acessibilidade em braile ou por voz. Além disso, tem o potencial de reconhecimento facial, identificação de objetos e outras possibilidades interessantes. Não à toa, o óculos leva no próprio nome ‘meus olhos’ ”, contaram os irmãos.


De acordo com Lucidalva Fonseca Laço, professora do Instituto Roberto Miranda há cerca de 25 anos, a ferramenta facilita a vida das pessoas e só traz ganhos. Ela contou que hoje são 180 alunos atendidos pela entidade, de todas as faixas etárias, desde os zero anos de idade. 


“Temos programas para ensino do sistema braile, de matemática, de estimulação precoce e visual, de vivência e outras práticas. Também há atendimento às redes estadual e municipal de ensino, com professores itinerantes, cursos, palestras e outras ações solicitadas pela sociedade civil e instituições, em prol das pessoas deficientes visuais”, completou.


Valéria Pellicano, que é especialista em educação especial e multiplicadora de cursos para a área de direitos da pessoa com deficiência, também celebrou a chegada da novidade na Biblioteca. 


“Hoje é um marco para a acessibilidade e cultura em Londrina. Certamente, teremos manifestação proativa deste público pra uso do mecanismo. A tecnologia assistiva é essencial e hoje é um dia histórico para essa comunidade. Fui pedagoga no Município e também no Estado com educação especial, faço trabalhos que envolvem secretarias de Educação em todo o Brasil, e participo de projetos voluntários. Então sei como é especial e importante para essas pessoas poder contar com tecnologias que sejam tão benéficas em seu desenvolvimento”, frisou.


Sobre o equipamento – Orcam My Eye é uma tecnologia assistiva de “visão artificial” que possibilita à pessoa cega ou com baixa visão mais autonomia e qualidade de vida. O dispositivo possui uma câmera inteligente, que lê, instantaneamente, textos grafados em qualquer superfície, além de reconhecer produtos, cores e cédulas de dinheiro, em real ou dólar.


O equipamento também faz reconhecimento de faces que, além de auxiliar o usuário a identificar as pessoas ao seu redor, diz também o gênero de cada uma delas. É possível fazer reconhecimento facial com fotos de um indivíduo e gravar seu nome no sistema do aparelho, para que ele possa dizê-lo sempre que essa pessoas estiver em frente ao óculos. 


A implantação deste projeto visa proporcionar uma socialização na qual a pessoa com deficiência viva em uma sociedade em que seus direitos sejam garantidos através de tecnologias assistivas e estrutura acessível, assegurando, além da aplicação de um direito, o seu bem-estar.


Força-tarefa Infância Segura - No evento desta quarta-feira (1º), na Biblioteca Pública, o prefeito Marcelo Belinati e o secretário de Estado da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, também assinaram termo de convênio referente ao Fortis (Força-Tarefa Infância Segura), idealizado pela Sejuf.


A iniciativa visa estabelecer no Estado do Paraná a integração das políticas públicas dos sistemas de justiça, segurança pública, assistência social, educação e saúde, mediante ações articuladas, coordenadas e efetivas para o acolhimento e o atendimento integral às crianças e aos adolescentes vítimas de crimes e violências.


Também estiveram presentes na solenidade o vice-prefeito João Mendonça, os secretários municipais de Governo, Alex Canziani; de Agricultura, Régis Choucino; do Trabalho, Emprego e Renda, Gustavo Santos; do Idoso, Andrea Ramondini. Também os vereadores Jairo Tamura e Sônia Gimenez, além do presidente da Adevilon, Nilton dos Santos, e dos integrantes do Departamento de Políticas para Pessoas com Deficiência, da Sejuf, Paulo Lopes e Margarete Alcino, que representaram o chefe do setor, Felipe Braga Cortês.

Continue lendo