29/09/20
°/°
PUBLICIDADE
Dicas

Língua Portuguesa é a matéria essencial para ir bem em qualquer concurso

Falada por 280 milhões de pessoas em 12 países diferentes e sendo a única matéria cobrada em 100% dos concursos, a Língua Portuguesa mostra sua relevância. Pode se dizer ainda mais: o português é essencial para a resolução de todas as perguntas de qualquer prova. Isso porque dominar o idioma é exigido para interpretar o que se pede do início ao fim do certame.

iStock
iStock


Saber compreender e utilizar o português da melhor maneira possível, além de ser necessário para o trabalho em qualquer vaga, já que em todos os cargos há a necessidade de exercer uma comunicação eficiente, é o que pode desempatar provas e definir qual candidato vai sair na frente.

Isso porque os estudantes brasileiros apresentam dificuldades no aprendizado do português desde muito jovens. O levantamento do movimento Todos pela Educação revela que só 34% das crianças que terminam o quinto ano do Ensino Fundamental aprendem o português exposto em sala de aula. Esse é o resultado referente a escolas públicas e particulares juntas. Se analisadas apenas as instituições de ensino público, o percentual diminui para 30,5%. Diante desse cenário, quem consegue superar esse obstáculo tem ainda mais chances de se destacar.

Alguns tópicos, como interpretação de texto e morfossintaxe – análise feita dos termos morfológicos e sintáticos de orações –, aparecem com mais frequência nos certames. Nas avaliações do Cespe/UnB (Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília), por exemplo, 45,8% das questões exigem interpretação de texto. Nas perguntas da Esaf (Escola da Administração Fazendária), o assunto representa 28,3% dos itens.

Há casos nos quais as questões de português têm peso dois – valem o dobro de pontos –, como, por exemplo, no concurso da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Secretaria de Administração do DF (cargo de Auditor de Controle Interno), Câmara dos Deputados, Ministério da Fazenda e Ministério do Turismo.

O domínio da língua aparece, mesmo que de maneiras diferentes, entre os tópicos mais importantes para as principais bancas que organizam os certames no Brasil. Na FGV (Fundação Getulio Vargas), organizadora dos concursos das câmaras municipais, da Polícia Civil do Rio de Janeiro, das secretarias e da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), o foco é equilibrado entre interpretação textual e gramática.

Já nos concursos federais, estaduais e municipais, principalmente na área jurídica esquematizados pela FCC (Fundação Carlos Chagas), junto com exposição literal da lei, a habilidade do candidato de diferenciar a escrita correta de uma frase, com atenção principalmente na gramática, é o mais exigido. No caso, a interpretação é deixada mais de lado.

Em provas da Fundação Cesariano, responsável pelos exames da Petrobras, de bancos, do IBGE e da Liquigás, o mais importante é analisar se o candidato tem a capacidade de interpretar, analisar e contextualizar dados, o que mostra se o indivíduo tem ou não o hábito da leitura.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Aulas suspensas
Com nova rotina, campus da UEL muda paisagem e recebe animais silvestres
28 SET 2020 às 17h49
2º semestre de 2020
Inscrições para bolsas remanescentes do ProUni terminam quarta-feira
28 SET 2020 às 14h37
Ensino superior
Vestibular Unicamp tem recorde de candidatos de escola pública
28 SET 2020 às 14h24
Em visita ao IFPR
Em Londrina, ministro da Educação reafirma ser favorável ao retorno das aulas presenciais
27 SET 2020 às 17h47
Projeto
Universitários abordam a escolha da profissão para estudantes do ensino médio
24 SET 2020 às 17h34
Financiamento
Estudantes com Fies podem suspender pagamentos até o fim da pandemia
24 SET 2020 às 15h31
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados