02/04/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
|
Dicas

Saiba como economizar na compra do material escolar

Com o início do ano, um dos principais gastos é com a compra do material escolar para os filhos. Listas extensas, com diversos detalhes e quantidades, preocupam os pais com o alto investimento necessário para adquirir os itens solicitados.

Rovena Rosa/Agência Brasil
Rovena Rosa/Agência Brasil


Segundo Carlos Darienzo, economista e professor dos cursos de Administração de Empresas e Ciências Contábeis da Universidade UNG, os materiais escolares importados tendem a ser mais caros que os nacionais. "A desvalorização do real faz com que o importador brasileiro tenha que desembolsar mais dinheiro para pagar suas compras. Além disso, há os custos da logística de transportes e distribuição", explica.

É preciso considerar que material escolar é um produto sazonal, ou seja, é mais demandado no início do ano letivo. Portanto, os preços costumam ser inflacionados nesse período. As diferenças entre valores de um mesmo produto podem variar em até 200% e há casos em que as diferenças alcançam 1000%. Isso acontece porque o comércio varejista tem dificuldade em formular preços com base nos custos de aquisição e taxas de lucros esperadas, trata-se de um problema técnico.

As condições de negociações feitas pelos comerciantes com seus fornecedores atacadistas também influenciam nos preços finais. Os produtos com logomarcas famosas, principalmente bolsas e cadernos, precisam de licenças dos detentores de suas marcas, que recebem royalties, aumentando o valor final.

Se o orçamento familiar estiver comprometido neste início de ano, é recomendável negociar com as escolas as prioridades de materiais que serão utilizados apenas no primeiro semestre letivo. Assim, será possível fracionar as compras ao longo do tempo.

Os responsáveis devem ter ciência que não devem comprar produtos de higiene e limpeza ou arcar com custos de energia elétrica e água das instituições de ensino, pois esses itens estão contemplados no pagamento das mensalidades escolares, obviamente, no caso de escolas particulares. Sobretudo, as escolas não podem determinar marcas ou lojas específicas para compra, a não ser que a escola tenha produzido seu próprio material. Em caso de dúvidas, deve-se consultar o Procon da sua cidade.

Outra dica é que os responsáveis dos alunos de uma mesma turma podem se unir para comprar em conjunto, ou seja, em maior quantidade, trazendo a possibilidade de descontos significativos nos preços. Também é possível fazer uso de clubes de trocas de livros comuns aos estudantes, modalidade de economia tem expandido em anos recentes. Nesses clubes, trocam-se, além de livros, mochilas, lápis de cores, réguas, colas e tesouras.

Os pais devem fazer um orçamento do material a ser comprado, ou seja, pesquisar nas lojas, comparar os preços e decidir pelas melhores opções. O uso da internet para pesquisas de preços e compras não deve ser descartado, porém, se efetuada alguma compra, deve-se considerar o custo do frete.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Entenda!
UEM perde 23% das bolsas de mestrado e doutorado da Capes
02/04/2020 08:57
Ensino básico e superior
MP dispensa escolas de cumprirem mínimo de 200 dias letivos
01/04/2020 16:51
Concurso
Festival Londrix e UEL selecionam textos autorais para Mural Poético
01/04/2020 16:39
Pais viram professores
Educação a distância impõe novos desafios às famílias
01/04/2020 16:18
Impressão 3D
Em Assaí, escola estadual produz máscaras-escudo
01/04/2020 15:32
Veja mais e a capa do canal