12/05/21
PUBLICIDADE
Campus de Goioerê

UEM inaugura graduação em Física Médica

Reprodução/UEM
Reprodução/<a href='/tags/uem/' rel='noreferrer' target='_blank'>UEM</a>


O campus de Goierê da UEM (Universidade Estadual de Maringá) terá uma nova graduação, em Física Médica. O anúncio foi feito na quinta-feira passada (30), pelo superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná (Seti), Aldo Bona, em um evento da universidade.


O curso, que foi aprovado no fim de 2019, terá 40 vagas e duração de 4 anos, com aulas nos períodos vespertino e noturno. A previsão é de que estudantes possam se candidatar a ele já no próximo vestibular.

Confira: UEM abre vagas para professores temporários

O processo de estudo para implantação do novo curso teve início há um ano, quando professores da UEM e sociedade civil organizada de Goioerê reuniram-se para estudar a viabilização da graduação. "Estamos colhendo o fruto daquela reunião, fazendo a junção da física com a medicina, fortalecendo ainda mais o ensino regional. Foi também pela implantação do curso de Física Médica que conseguimos trazer para a cidade a UTI da Santa Casa”, lembra Roberto dos Reis Lima, prefeito de Goioerê.

O Curso de Física Médica

Hoje, no Brasil, existem 18 cursos de Física Médica, sendo 6 em São Paulo, 4 no Rio Grande do Sul, 2 no Rio de Janeiro, 2 em Minas Gerais, 1 em Brasília, 1 em Goiânia e 1 no Sergipe. O primeiro curso do Paraná é o ofertado pela UEM de Goioerê.

Os dois primeiros anos de curso compõem as disciplinas de Física e Cálculo. Química, Biologia e Ciências Humanas somam mais 6 meses. As disciplinas específicas de Física Médica somam mais 1 ano e, por fim, o estágio supervisionado no hospital, com a duração de 6 meses.

Como explica o professor Ronaldo Celso Viscovini, o curso forma físicos para trabalhar interagindo com a medicina: "O Físico Médico pode trabalhar com radioterapia, ele planeja a dose e o local de aplicação para que essa aplicação seja mais segura e eficiente possível; medicina nuclear, quando são aplicados isótopos diretamente no paciente, um exemplo é a iodoterapia. Além de fazer o planejamento do tratamento, ele também faz a parte de preparação dos compostos radioativos que serão usados no tratamento; podendo atuar também no diagnóstico por imagem, tanto no controle de qualidade, no treinamento de operadores e em uso de equipamentos de altíssima tecnologia para ter o máximo de aproveitamento do equipamento; e por fim, está a frente das novas fronteiras da medicina em áreas como o laser médico, a robótica, e também ondas Terahertz, que são o futuro do diagnostico por imagens”.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
Continue lendo
Baixe o documento completo!

Nova edição do fanzine para crianças Era uma Zine está no ar

11 MAI 2021 às 17h50
Rede Estadual do Paraná

Tecnologias da Celepar ajudam a monitorar o retorno às aulas presenciais

11 MAI 2021 às 17h46
Não deixe de fazer exercícios!

Inatividade aumenta mortes por doença cardiovascular na pandemia, aponta estudo da USP

11 MAI 2021 às 17h35
Confira!

Prefeitura de Londrina divulga homologação do resultado final do Teste Seletivo 35/2021

11 MAI 2021 às 17h10
Infraestrutura dos municípios

Paraná libera quase R$ 1 milhão para projeto da UEL de apoio à região de Londrina e pesquisa da seda

11 MAI 2021 às 16h35
Confira o evento completo!

Museu Histórico de Londrina divulga programação dentro da 19ª Semana Nacional de Museus

11 MAI 2021 às 16h08
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados